Postagens Recentes

Notícias em Destaque

Loading...

Barra de Vídeos - Temas Selecionados

Loading...

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

SATANISMO: Príncipe da Holanda promove rituais satânicos de sacrifícios de crianças - (vejam vídeo de relato de testemunha em Tribunal Internacional)



Esta é a transcrição do vídeo do testemunho de Anne Marie van Blijenburg sobre sacrifícios de crianças ao Tribunal de Justiça de Direito Comum Internacional de Bruxelas.

Anne Marie van Blijenburgh, uma testemunha chave para rituais de assassinatos de criança promovidos pela realeza holandesa e outras elites, incluindo George Soros, descreve os assassinatos ocorridos desde 2004 na Bélgica e na Holanda. Esta é uma das partes de uma declaração de quatro partes que ela fez perante oficiais da Common Law Tribunal de Justiça Internacional no verão passado, como parte de seu processo contra o papa Francisco e outros envolvidos no tráfico de crianças e assassinatos rituais do Nono Círculo. As outras partes da entrevista são divulgadas brevemente. Gravado ao vivo no 05 de junho de 2014, da Holanda. veja no www.itccs.org





Publicado em 10 de setembro de 2014


Emitido pelo Tribunal de Justiça de Direito Comum Internacional, Bruxelas
Direitos autorais ITCCS 2014. Todos os direitos reservados.

Crianças sacrificadas pela realeza, Soros é testemunha ocular.



Transcrição: 


Meu nome é Anne Marie van Blijenburgh. Eu fui casada durante 24 anos com Kees van Korlaar. Junto com os seus três irmãos, Kees van Korlaar forma uma organização criminosa conhecida como Sindicato Octopus (Polvo) (nota do editor: esta é uma gíria na Holanda para Ndrangheta, a máfia moderna da Itália). Eles têm trabalhado de 1960 até hoje. Por ordem da Rainha Beatrix, eles organizaram o assassinato, a tortura, o estupro e o assassinato de crianças em uma estrutura pública. Eles organizaram isso através de centros de detenção juvenil na Holanda.

Os centros de detenção juvenil foram informados pelos criminosos de que eles estavam pedindo, para o tribunal Holandês, crianças que poderiam trabalhar para a Rainha Holandesa por um determinado período. Os centros de detenção ficaram muito felizes, eles achavam que a Rainha Beatrix era uma pessoa muito social, e eles alegremente se ofereceram para dar os arquivos de algumas crianças aos criminosos. Quando eles quiseram verificar o que os criminosos disseram, eles receberam um nome e um número de telefone de um oficial de alta patente na corte da Rainha Beatrix, e o oficial de alta patente disse então que, de fato, os criminosos estavam procurando crianças para trabalhar durante um certo período na corte Holandesa.

Depois de receber arquivos de aproximadamente três crianças de cada vez, os criminosos selecionaram uma criança que não tinha parente ou família. Eles disseram ao centro de detenção de jovens que essas eram as que eles queriam, o centro de detenção juvenil iria dar roupas para a criança e colocar a criança no trem para Zwolle. Em Zwolle, os criminosos pegaram a criança na estação e trouxeram-na para um edifício que foi equipado como um hotel, mas que não estava funcionando como um hotel, embora houvesse pessoas no lobby como se o hotel estivesse funcionando. A criança foi colocada sobre uma mesa e foi dado algo para ela beber e com aquela bebida a criança foi drogada. Ao lado do hotel havia um edifício onde ocorreu a execução.

Nesse prédio havia pessoas, elas estavam sentadas e, em determinado momento, a criança foi trazida para esse edifício pelos criminosos, ela foi torturada, estuprada e brutalmente assassinada na frente dessas pessoas.

O público ficava em volta do Príncipe Johan Friso, o segundo filho da Rainha Beatrix. Foi-me dito que Johan Friso era muito louco e que tinha um interesse doentio por crianças e que tinha um psiquiatra com ele diariamente. O nome desse psiquiatra era Guus Pareau Dumont. Os criminosos organizavam essas mortes de acordo com a Rainha Beatrix, ela pagou pelas mortes. E os criminosos pediram ao Johann Friso para trazer seus parentes e amigos com ele, então todo o edifício estava cheio de pessoas muito importantes da Holanda: ministros, oficiais de alta patente e todo tipo de pessoas que os criminosos poderiam fotografar para que eles pudessem chantageá-las e obter vantagens criminais disso.

Pergunta: Você poderia citar algumas das pessoas que estavam presentes?

As pessoas que eu reconheci foram o Príncipe Johan Friso, o seu psiquiatra Guus Pareau Dumont, eu reconheci a mulher de Johan, Mabel Wisse Smit, ela estava lá com um homem mais velho, eu acho que era George Soros, eu reconheci uma Herr Donner, um ex-ministro do Departamento Jurídico, o vice-roy dos Países Baixos, eu reconheci Ernst Hirsch Ballin, um ex-ministro muito importante da Justiça, eu reconheci o Sr. van den Emster, ele foi durante anos o chefe de todos os juízes na Holanda, eu reconheci Dick Berlijn, ele é um ex-chefe do departamento militar na Holanda. Eu reconheci um jornalista muito importante. Eu reconheci Carla Eradus, a esposa do psiquiatra de Friso, Guus Pareau Dumont, Carla é a Presidente do Tribunal em Amsterdã, uma juíza. Eu reconheci Mark Rutte, ele é atualmente o Presidente da Holanda. Eu reconheci Geert Wilders, ele é atualmente o líder do partido político PVV e chefe do Parlamento Holandês.

Havia cerca de cinquenta pessoas cada vez que eu fui lá. Eu fui levada para lá três vezes. Eu vi, a cada vez, que eles mataram uma criança, eu vi dois meninos mortos e uma menina morta. Eu presumo que eles eram crianças da Holanda, eu presumo que eles vieram de centros de detenção e que foram recrutados como eu disse.

Pergunta: Você disse que os funcionários do centro de detenção achavam que as crianças tinham sido comidas?

Eu pedi a um jornalista do jornal De Telegraff em 2005 ou 2006 para ver isso para mim e para publicar no jornal o que estava acontecendo. O jornalista me disse que tinha checado a minha história em todos os centros de detenção juvenil na Holanda e que tinha falado com as pessoas que de fato tinham dado esses arquivos para os criminosos e eles pensavam que as crianças que eles colocaram no trem iam ser solicitadas para trabalhar na corte da Rainha Beatrix. E algumas pessoas desses centros de detenção disseram ao jornalista que eles achavam que a Rainha Beatrix estava comendo essas crianças, porque eles as colocaram no trem para Zwolle e nunca viram essas crianças de novo ou nunca mais ouviram falar sobre elas.

Pergunta: Você sabe o que aconteceu com os restos mortais das crianças que morreram, onde foram enterrados ou o que fizeram com eles?

Sim, infelizmente, eu sei, sim. Elas primeiro foram lançadas em um recipiente atrás do edifício onde foram assassinadas, um recipiente de refrigeração. Depois de algumas execuções, o recipiente foi levado para a Bélgica, onde eles tinham um terreno no qual eles colocavam as crianças em um buraco.

Pergunta: Qual é o nome do lugar na Bélgica, você sabe?

Eu devo procurá-lo, descobri-lo, mas eu tenho que procurá-lo.

Pergunta: O que você gostaria de ver acontecer com tudo isso?

Eu quero ver esses criminosos na prisão perpétua.

Pergunta: Você ainda não recebeu nenhuma ajuda na Holanda, você disse.

Nem uma coisa, nada, é terrível, de 2004 até hoje. Eu falei com cada policial que eu pude encontrar, e com cada autoridade da lei, eu conversei com a INTERPOL sobre isso, eu fui ao tribunal para tentar conseguir um promotor para condenar isto e para investigar o assunto. O tribunal me disse que não era problema meu, que era um problema da sociedade, e o tribunal não quis dar uma ordem para o Ministério Público investigar. Eu tenho feito literalmente de tudo para esclarecer isso. Eu acho que tudo está parado porque a Rainha Beatrix está envolvida e porque o tribunal Holandês está envolvido. E cada vez que alguém quer investigar, eles batem no ombro e dizem para não fazer isso porque a Rainha Beatrix não quer.

Pergunta: Você está disposta a dar este testemunho em outro tribunal, digamos em um Tribunal de Direito Comum?

Sim. Eu não tenho qualquer objeção quanto a isso. Estou muito, muito irritada, se você visse o que eu vi, isso sempre fica comigo. Eu não posso deixá-lo de lado, pois isso é uma das coisas mais cruéis que eu já vi, é horrível, é realmente horrível. Os idiotas. Uma vez, quando eu estava voltando para casa, o meu marido que me levou lá, ele drogado e ele me deixou ver isso e ele me trouxe de volta para casa a uma centena de kilometros de distância. E durante esse passeio de repente eu me dei conta, de repente eu descobri que era uma criança que eu tinha visto morta. Eu explodi em lágrimas. O meu marido estava dirigindo e ele colocou o seu braço em mim e disse: "Não se preocupe, eles são filhos de uma família sem importância, eles são órfãos, eles são apenas lixo, não importa que eles foram mortos." É horrível. Eu não posso descrevê-lo. É horrível, aquelas pessoas estavam ali sentadas e olhando e não faziam nada.

Pergunta: E o seu marido ainda está vivo.

Ele ainda está vivo e ele ainda está matando pessoas. Se você só pensar quantas pessoas desde 2004 foram mortas, faz dez anos, eles matam talvez dez ou vinte pessoas por ano, se não mais, é horrível. Eu mostrei à polícia quatro lugares na Holanda, eles usam como cemitérios para as pessoas que eles mataram. Nunca, nunca, algum policial já se deu ao trabalho de olhar.

Pergunta: Você pode citar esses quatro lugares?

Sim, eu posso nomeá-los, posso mostrá-los, mas eu vou enviá-los por e-mail. Mas os criminosos sabem que eu disse aos policiais, eles tiveram a oportunidade de deixar os corpos desaparecem, eu sei de dois lugares onde é difícil de desaparecerem ... Mas, normalmente, na Holanda, quando é encontrado um corpo ensanguentado em uma casa, a polícia vai com 20 ou 30 pessoas para investigar. Mas quando eu digo para a polícia que eu conheço quatro lugares na Holanda que eles usam como cemitério, e que em cada cemitério, talvez 20 ou 50, talvez 100 corpos estão enterrados lá, ninguém está olhando, ninguém vai para esses lugares.

Pergunta: Você pode nos dizer o seu nome, por favor, e a data de hoje?

Hoje é 05 de junho de 2014 e o meu nome é Anne Marie van Blijenburgh.




******


Direitos autorais ITCCS 2014. Todos os direitos reservados.

Fonte: http://itccs.org/2014/09/10/transcript-of-anne-marie-van-blijenburghs-testimony-about-child-murders-in-belgium/
Tradução e postagem: Portal dos Anjos e das Estrelas de Luz
www.portaldosanjos.net