Arquivo Geral de Publicações do Blog

Postagens Recentes

Postagens Recentes

Barra de Vídeos - Tema Selecionados

Loading...

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

RATOS DE COLEIRA - Os ratos heróis de Moçambique


Foto: Divulgação



24 de outubro de 2011

Guerras civis costumam forrar o solo de um país de minas explosivas. Hoje, existem cerca de 100 milhões de minas terrestres espalhadas em 6 dezenas de países. 50 pessoas morrem ou são feridas acidentalmente por dia por causa delas.

Uma reportagem muito interessante na CNN mostra o trabalho da organização belga APOPO, que trabalha para limpar Moçambique de seus mortais explosivos escondidos sob a terra. Não é um trabalho fácil.

A reportagem mostrou a solução encontrada pela APOPO em Moçambique: os ratos-heróis. Não estamos falando de ratazanas urbanas, mas de uma espécie africana realmente grande, a “poached”. São ratos limpos, dóceis muito prestigiados como animais domésticos na África.

A APOPO treinou 120 desses “poached rats” para localizar minas. Eles recebem uma guia presa ao peito com um anel na parte superior. A equipe delimita um terreno e através de uma cordinha cada rato “escaneia” o solo. Se fareja uma mina, aponta onde ela está e vai atrás de outra. A vantagem é que são leves o suficiente para não detonar o explosivo.

A repórter da CNN faz questão de perguntar em que condições são criados. Os ratos vivem em gaiolas e “aquários” semelhantes a uma casa de hamster. O funcionário da APOPO informou que recebem nomes individuais e que estabelecem uma relação amorosa com seus treinadores. As cenas não desmentiram isso.

Estariam melhor livres? Talvez. Mas cumprem uma função incrivelmente útil, e aparentemente são bem tratados para isso. Realizam um trabalho fácil e salvam vidas – de humanos e de outros animais.

São escravos? São associados? São heróis.



Fonte:http://www.anda.jor.br/24/10/2011/os-ratos-herois-de-mocambique

Fundação Brigitte Bardot acusa pescadores de usarem cães e gatos como iscas para pescar tubarões




Créditos foto: Zinfos


por Camila Arvoredo




A Fundação Brigitte Bardot causou alvoroço publicando no seu site um comunicado sugerindo que pescadores das ilhas francesas de Réunion continuam a utilizar animais domésticos como isca, afirmou o jornal francês “Zinfos”.

O tubarão cabeça-chata pescado na quinta-feira em Saint-Gilles (ilha próxima de Madagascar) teria comido um cachorro ou um gato. Esta é a informação disponibilizada no site da fundação Brigitte Bardot.

Como animais domésticos poderiam ter sido encontrados no estômago de um predador marinho? Os defensores dos animais não acreditam que foi ao acaso, mas que esta é a prova de que animais domésticos são utilizados como iscas para a pesca de tubarões, na ilha.

A ilha de Réunion foi mais uma vez descrita pela fundação como fora do comum.


Anzóis como armadilhas

A crítica é rebatida por pescadores que alegam que as fotografias de cachorros com ganchos inseridos em suas bocas ou pescoço, ligados a fios de nylon enroscados em suas patas, se deve a armadilhas feitas por alguns fazendeiros para evitar que cães abandonados comessem suas galinhas.

Em 2005, as associações de proteção animal se revoltaram contra o fato de uma reportagem sobre a ilha de Réunion ter mostrado uma série de animais-isca e um homem suspeito de atos de crueldade contra animais. Ele teria colocado um anzol no animal e pretendia aprisioná-lo, pois ele atazanava suas galinhas. Um mandato governamental proibiu na época o aprisionamento de qualquer animal carnívoro doméstico, vivo ou morto dentro de uma embarcação.

Práticas que enfraquecem?

As práticas de pesca com a ajuda de um animal doméstico ainda existem na ilha? A fundação acredita que sim. A AREPA, associação da ilha de Réunion de proteção aos animais, ainda acredita que esta prática se dê na ilha. Na medida em que tubarões não se alimentam de cadáveres, a associação supõe que os restos de gatos ou cachorros encontrados no estômago do tubarão pescado na semana passada provenham de um animal vivo utilizado para a pesca e não de animais mortos jogados no oceano pelas chuvas.

Todavia, mesmo estando convencida de que esta tradição sombria ainda persiste, a AREPA acredita que a regulamentação realizada contra este tipo de ato diminuiu a sua incidência, ato este que a associação acredita ser realizado por pescadores amadores.

Nota da Redação: A pesca já é por si só uma prática sádica e cruel, que só causa sofrimento e dor aos animais, tirando a vida de seres inocentes para novamente servir à ganância humana. Além dessa barbárie que é pescar ou caçar animais, utilizar outros seres vivos como isca é realmente um alarme preocupante, um retrato do grau de insanidade a que os seres humanos chegaram. Seria preciso um espelho gigante para que os humanos vissem suas atrocidades em câmera lenta, num grande painel, ou nem assim se dariam conta de que não é direito da humanidade violentar o direito à vida de outros seres?



Fonte:http://www.anda.jor.br

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Relatório conclusivo da Finlândia admite: VACINA CONTRA GRIPE SUÍNA CAUSA DOENÇAS CRÔNICAS DO SISTEMA NERVOSO


por Mike Adams (Natural News)
Segunda-feira, 10 de outubro de 2011 16:41 BRT


A Finlândia agora admitiu abertamente que a vacina contra gripe suína “conclusivamente” causa narcolepsia, uma doença crônica do sistema nervoso que provoca episódios incontroláveis de sono. O governo da Finlândia, de acordo com este relatório, disse que vai pagar por “cuidados médicos pelo resto da vida” de 79 crianças que tiveram danos irreparáveis pela vacina contra gripe suína (http://news.yahoo.com/finland-vows-care-narcolepsy-kids-had-swine-f...).

Narcolepsia não é o único efeito colateral agora admitido ser causado por vacinas contra a gripe suína: 76 das 79 crianças também sofreram alucinações e “colapso físico paralisante”, disseram cientistas da Finlândia.

Surpreendentemente, mesmo tendo sido admitido abertamente pelo governo da Finlândia a associação entre vacinas contra gripe suína e danos neurológicos permanentes em crianças, não há absolutamente qualquer pronunciação sobre interromper inteiramente a prática nada científica de injetar crianças com vacinas contra gripe em um primeiro momento. Não só as vacinas contra gripe são prejudiciais a crianças (como admitido agora), mas vacinas contra gripe não funcionam! Uma simples dose diária de vitamina D poderia fazer muito mais para deter a gripe do que qualquer vacina (http://www.naturalnews.com/029760_vitamin_D_influenza.html).

Os Estados Unidos se recusam a admitir qualquer dano causado por vacinas

O governo dos Estados Unidos, é claro, ainda se recusa a admitir que vacinas possam provocar algum dano. Ambos o governo e a indústria de vacina continuam a empurrar o conto de fadas imaginário de que “vacinas são seguras e efetivas”, querendo dizer que não prejudicam ninguém, mas que ajudam a todos. Mas a verdade é praticamente o oposto: Vacinas lesam milhões incontáveis de crianças a cada ano de formas geralmente nunca associadas a vacinas (retardo mental leve, imunossupressão, dificuldades de aprendizagem, etc.). Ao mesmo tempo, quase todas as vacinas são inúteis na prevenção de infecções. Mesmo a própria pesquisa da indústria de vacina mostra que as vacinas contra gripe funcionam em 1 em cada 100 pessoas, o que significa que é completamente inútil para 99% daqueles que a recebem (http://www.naturalnews.com/029641_vaccines_junk_science.html).

Ao invés de admitir a verdade que vacinas causam autismo, o governo dos Estados Unidos tem conspirado com fabricantes de vacina para criar o Programa de Compensação a Dano por Vacina que paga “suborno” a pais de crianças permanentemente lesadas para certificar-se de que eles não possam levar suas reivindicações de dano aos tribunais federais (http://www.naturalnews.com/033635_vaccine_injury_compensation_gover...).

Pior ainda, o meio médico – que é fortemente influenciado, se não completamente dominado por interesses farmacêuticos – recusa-se absolutamente em preconizar a vitamina D como um meio de prevenção da gripe. A vitamina D é segura, efetiva e acessível. Ela está disponível sem receita médica e pode economizar, literalmente, bilhões de dólares em custos de tratamento por apenas alguns centavos por dia por pessoa. Então, por que o meio médico não promove a vitamina D? Precisamente porque isso custaria à indústria bilhões de dólares a fundo perdido para todas as enfermidades e doenças degenerativas que são prevenidas pela vitamina D.

É claro que vacinas causam autismo!

Não há absolutamente nenhuma dúvida na mente de qualquer pessoa razoavelmente informada de que vacinas podem causar lesão neurológica, incluindo (mas não limitado a) autismo. Somente os cientistas do corporativismo devasso ao redor do mundo continuam sua charada de que vacinas não estão ligadas ao autismo; ou de que vacinas funcionam até mesmo em primeiro lugar. A maioria dos americanos ainda não ouviu a entrevista secreta do Dr. Maurice Hilleman, virologista da Merck, onde ele abertamente admite que vacinas possuem dúzias de cepas de vírus “secretos” causadores de câncer. Leia a transcrição aqui: http://www.naturalnews.com/033584_Dr_Maurice_Hilleman_SV40.html . Ouça a entrevista: http://naturalnews.tv/v.asp?v=13EAAF22CDA367BB3C2F94D2CD90EF7B . Da mesma forma, a maioria das pessoas ainda não sabe que o Dr. Jonas Salk, o célebre “avô” das vacinas a quem é creditado a criação da vacina contra a poliomielite, foi um médico coconspirador criminoso, que cometeu crimes hediondos contra a humanidade em nome da “ciência médica” (http://www.naturalnews.com/031564_Jonas_Salk_medical_experiments.html). Na verdade, toda a história das vacinas e remédios foi totalmente distorcida pelo meio médico para pintar vacinas em uma luz glorificada de saúde pública. Mas a verdadeira história é que as vacinas são agora – e sempre foram – ferramentas para causar doença e para promover a doença a fim de que a indústria farmacêutica possa se beneficiar do resultado.

A terrível verdade sobre a indústria da vacina e o meio médico

Lembre-se, esta é a mesma indústria que realizou experimentos médicos ultrajantes em prisioneiros da Guatemala (http://www.naturalnews.com/033483_Guatemalan_prisoners_medical_expe...) . Essas mesmas pessoas conduziram experimentos sobre doenças sexualmente transmissíveis (SDT/DST) em negros americanos da cidade de Tuskegge (Alabama), também (http://www.naturalnews.com/029924_medical_experiments_Guatemala.html), infectando-os com a bactéria da sífilis (e com outros agentes de DST), sem seu conhecimento, para determinar a eficácia da penicilina.

Vocês honestamente acham que esses mesmos criminosos da vacina não seriam capazes de usar crianças inocentes para seus próprios experimentos de inoculação em massa? Lembrem: eles são obscenos, criminosos do estilo Nazista que estamos falando aqui. Este é quem dirige a indústria farmacêutica. O presidente anterior da Bayer, por exemplo, era um criminoso de guerra Nazista convicto que foi indiciado e sentenciado nos julgamentos de Nuremberg. Não acreditam em mim? Leiam sua história (http://www.naturalnews.com/024534_Europe_health_WHO.html):

“Dr. Fritz ter Meer, diretor do IG Farben, que estava diretamente envolvido no desenvolvimento do gás nervoso, Zyklon-B, que matou milhões de judeus, foi condenado a sete anos de prisão, mas foi libertado depois de quatro anos através da intervenção de Rockefeller e JJ McCloy, então Alto Comissário dos EUA na Alemanha. Um impenitente Fritz ter Meer, culpado de genocídio e crimes contra a humanidade, voltou a trabalhar na Bayer, onde ele atuou como Presidente por mais de 10 anos, até 1961. Este mesmo ter Meer, um criminoso de guerra nazista condenado, passou a se tornar um dos iniciadores da Comissão do Codex Alimentarius em 1962, uma organização que foi patrocinada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), pela Food and Agriculture Organization (FAO), e, mais recentemente pela Organização Mundial do Comércio (OMC).”

Os governos sabem mutilar e matar crianças com vacinas – é exatamente por isso que as promovem tão agressivamente

Você vê, todos os governos do mundo já sabem que as vacinas são assassinato. Eles sabem que vacinas matam e mutilam crianças. Eles sabem que vacinas causam autismo e desordens neurológicas. Eles sabem disso e, no entanto, eles continuam promovendo vacinas de qualquer maneira. Por quê? Porque eles são assassinos em massa que têm raízes filosóficas na Alemanha nazista e no movimento eugenista. Mesmo hoje o FDA pode ser rastreado apoiado na eugenia e no controle populacional. Bill Gates, que promove a vacinação no mundo, admite abertamente que vacinas e terapias podem “reduzir a população mundial em 10 a 15 por cento” se eles “fizerem um bom trabalho” (http://www.naturalnews.com/029911_vaccines_Bill_Gates.html).

Não acredita em mim? Veja o próprio Bill Gates falando neste vídeo (http://www.naturalnews.tv/v.asp?v=A155D113455FAC882A3290536575C723).

As vacinas não são dadas a crianças com a “desventura” de que elas matam algumas crianças e provocam distúrbios neurológicos em outras; não, elas são dadas a crianças PORQUE elas causam distúrbios neurológicos, falência de órgãos, infertilidade, redução da inteligência e vários outros efeitos colaterais.

As vacinas de hoje criam os clientes para tratamento amanhã, você.




fonte: http://www.de.sott.net/articles/show/236155-Conclusive-link-now-adm...

Tradução para o português: Zulma Peixinho

Publicado em: http://portaldosanjos.ning.com/


sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Manifesto à Nação – As ameaças ao Estado Brasileiro

por Brigadeiro Ivan Frota

Academia Brasileira de Defesa – Pro Pátria



7 de setembro de 1822.

Nesse dia, com o Grito do Ipiranga, a Nação Brasileira ganhou identidade, independência, soberania e liberdade. Hoje, corremos grande risco de perdê-las.


CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS


Enfrenta a Nação Brasileira, neste instante, uma fase de perigoso retrocesso político, moral e intelectual, gerada por acidentes históricos, de caráter eleitoral, que submeteram o País ao poder de interesses políticos, conduzidos por lideranças contrárias aos valores tradicionais da sociedade brasileira.


Há mais de duas décadas, o que, a princípio, vinha sendo anunciado como “consolidação da democracia” pelas “predestinadas” figuras de líderes populistas foi-se tornando visível, pela concretização das intenções que moviam tal “consolidação democrática”, frustrando a expectativa da sociedade, por natureza, complacente.


Pequenos deslizes de natureza política deram lugar a comprovados e, portanto, deploráveis casos de corrupção aos olhos perplexos da Nação que esperava, inversamente, uma mudança drástica de comportamento político, ou seja, a valorização da competência, da responsabilidade, da justiça e da honestidade no trato da coisa pública.


A quantidade e a dimensão dos desvios administrativos foram-se agigantando de tal modo, que poucas palavras já não são suficientes para defini-los.



Resolveu, então, a Academia Brasileira de Defesa (ABD), por intermédio de seus membros, fazer um levantamento das distorções de propósitos da tão propalada “consolidação democrática”, que estão pondo em risco a segurança e, em razão desse risco, a própria integridade do Estado Brasileiro.


A enumeração dos principais tópicos que se referem a essas distorções desnuda os inúmeros perigos que rondam, ameaçadoramente, a soberania, a moral e o próprio Estado de Direito em nosso País.


Arbitrou-se a ABD apresentar tais ameaças, agrupadas em títulos que, tradicionalmente, compõem o conjunto do Poder Nacional de um Estado.


EXPRESSÃO POLÍTICA

ABSOLUTISMO DO PODER POLÍTICO


- Nepotismo explícito e exagerado “aparelhamento” político e ideológico dos quadros públicos com a multiplicação de órgãos de governo, ocupados por militantes dos partidos vitoriosos e dos demais partidos coligados, mormente os cargos de nível ministerial. Não se levando em conta a meritocracia, é pertinente a afirmação de que a maioria desses ocupantes não apresenta a qualificação indispensável ao desempenho de suas funções.


- Falência da imagem da “oposição” no legislativo federal, caracterizando a figura do “partido único”.


- Ausência de independência do Judiciário em relação ao Executivo.


- Ostensiva cooptação eleitoral por meio de distribuição de demagógicas benesses financeiras com o dinheiro público (“bolsa-família”, UNE, indenizações políticas, MST, etc.).


CORRUPÇÃO PANDÊMICA E IMPUNIDADE


- Desonestidade e total irresponsabilidade com o dinheiro público, nos Poderes da República – Executivo, Legislativo e Judiciário, nos níveis administrativos federal, estadual e municipal -, como também nas empresas públicas, nos fundos de pensão e nos partidos políticos, em tal dimensão, que inviabilizam qualquer tipo de empreendimento público, considerados os valores dos ilícitos cobrados, que variam de 4% a 50%.


- Crescente evasão financeira em decorrência da desonestidade habitual na gestão das responsabilidades públicas, o que, por sua vez, concorre para que sejam pagos, pela sociedade brasileira, os maiores impostos do mundo em relação aos de outros países.


- Ausência de sanções político-criminais como penas de reclusão, multas e a devolução dos recursos desviados dos cofres públicos, devido às espúrias “blindagens” decorrentes do corporativismo e dos alinhamentos político-ideológicos. A demissão e o afastamento da função são as únicas sanções, eventualmente adotadas, quando deveriam ser somente o início do processo punitivo.


ABUSO DA PRÁTICA DA “DIPLOMACIA PRESIDENCIAL”


- Desvirtuamento da tradicional e respeitada diplomacia do Itamaraty pela intromissão direta e indevida, do Presidente, em ações diplomáticas executivas, quase sempre, desprezando o assessoramento dos quadros profissionais do Serviço Diplomático.


TIBIEZA E INCOMPETÊNCIA NAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS


- Pusilanimidade dos governos, ao cederem às pressões internacionais de toda ordem, devido ao alinhamento ideológico, razão da excessiva condescendência com governos de esquerda, no continente americano e no mundo (Cuba, Venezuela, Bolívia, Equador, Peru, Irã, etc.). Movidos, também, por fatores presumíveis, deixam-se, contraditoriamente, persuadir, pelos governos que a estes países se opõem. Constata-se um jogo político de dupla face, nocivo aos interesses brasileiros.


- Sem nenhum indício de planejamento e consenso diplomático, visando a uma sólida defesa da posição geopolítica conquistada pelo Brasil no cenário internacional, tornou-se uma constante, no campo político das decisões, sobreporem os interesses estrangeiros aos interesses brasileiros. Fica, assim, constatada a Diplomacia da Generosidade.


- Alguns exemplos dessa prática no continente sul-americano são a entrega, indiferente e leniente, da refinaria da Petrobras para a Bolívia; a revisão prática do Tratado de Itaipu, com concessões que ultrapassam os limites da justeza do Acordo, como o aumento de preço da energia fornecida pelo Paraguai; os financiamentos favorecidos a Cuba; a passividade em face dos abusos de Rafael Correa (Equador) contra a Odebrecht; etc.


SOBERANIA E INTEGRIDADE NACIONAIS


- Agravos à soberania nacional pela subordinação da política governamental a ditames provindos de fontes externas de poder – Estados estrangeiros, agentes econômicos e movimentos conservacionistas e ambientalistas – que visam, também, a dificultar o desenvolvimento do País. Apoiada por ONG de inspiração forânea, esta diversidade de agentes dispõe de total liberdade de ação em território brasileiro, fato inadmissível em nações mais desenvolvidas.


- Perigo de perda de território e de “balcanização” do País, com fatos concretos de absurdas cessões de propriedade, nas regiões desenvolvidas do País, para pretensos grupos quilombolas, e, nas demarcações de extensas reservas indígenas, na Amazônia, em áreas fartas de recursos estratégicos, raros e de valor inestimável, incluindo, nessa alienação fundiária, as terras da União previstas na CF-88 (Art. 20, § 2.º e Emenda Constitucional n.º. 23/1999), como “faixa exclusiva de fronteira”.


- A criminosa adesão à Declaração dos Direitos dos Povos Indígenas, abrindo caminho para perigosas reivindicações de independência política das terras que ocupam, com o apoio de algumas instituições religiosas a serviço de outros governos.


- Tais ações, conduzidas por organismos internacionais, por ONG de atividades duvidosas, resultam da antipatriótica condescendência que tem marcado as frágeis políticas de governo, contrariando os legítimos interesses brasileiros e motivando o surgimento de perigosos sentimentos divisionistas.


- Além disso, a maneira como vem sendo formulada e implementada a política indigenista, a reboque de pressões externas e de acordos espúrios firmados por nossa diplomacia, gera conflitos perturbadores na atividade econômica, desestabiliza a Federação e fragiliza a plena soberania brasileira sobre seu território.


EXPRESSÃO ECONÔMICA

INSEGURA ADMINISTRAÇÃO CENTRAL DA ECONOMIA


- Inexistência de um plano nacional de desenvolvimento, com ausência de política econômica definida e a consequente falta de estratégias e diretrizes correlatas, vinculadas a orçamentos e programas, bem como de definição de responsabilidades pelo seu cumprimento.


- Desnacionalização da economia por meio da troca por “moeda de papel” de ativos e bens nacionais, incluindo a absorção ou a perda de controle acionário de empresas para entidades alienígenas não residentes, algumas estatais.


DEPENDÊNCIA ECONÔMICA


- Declínio da participação industrial na formação do PIB nacional, devido ao elevado custo de produção (Custo Brasil); favorecimento das importações; pauta de exportações alicerçada em “commodities” e não em produtos industrializados; perda da competitividade; excesso de “consumismo”; contrabando e pirataria.


DESCONTROLE FINANCEIRO


- “Bolha” de crédito com estímulo à entrada de capital especulativo e com elevadas taxas de juros (a maior do mundo).


- Valorização excessiva do mercado imobiliário das grandes cidades, com grave risco de falências em bloco, após a copa do Mundo e as Olimpíadas.


- Crescimento dos índices inflacionários bem acima dos limites estabelecidos.


INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA


- Marinha Mercante inexistente, fato que atenta contra a soberania e a segurança nacionais, tendo em vista que cerca de 90% do comércio exterior do País transita pelo mar. Quase a totalidade dos navios petroleiros da FRONAPE são licenciados com terceiras bandeiras, e oficiais da Marinha Mercante estão a serviço dos navios da TRANSPETRO.


- Sistema rodoviário falido, apesar dos bilhões de reais do orçamento do DNIT, solapados pela desídia e pela corrupção dos administradores encarregados dos diferentes modais.


- Crescente demanda por transporte (terrestre, aquático e aéreo), tanto nas áreas urbanas quanto interurbanas, poderá levar o País, em curto e médio prazos, a um grave estrangulamento logístico de consequências imprevisíveis.


- Oferta de energia elétrica já abaixo da necessidade, sem previsão de implantação de novas fontes de fornecimento, devido à incompetência governamental de gerenciar as obras em andamento.


VULNERABILIDADE DA PRODUÇÃO PETROLÍFERA


- A exploração do petróleo offshore, em especial a do “pré-sal”, carece, totalmente, de proteção contra ataques terroristas e de terceiras potências, cujas agressões, se efetivadas, poderão paralisar a produção nacional.


EXPRESSÃO PSICOSSOCIAL

ENFRAQUECIMENTO DA SOCIEDADE POR MEIO DA DECADÊNCIA MORAL


- Destruição do núcleo familiar e distorção do seu tradicional conceito, com efeitos nefastos na manutenção dos valores cristãos, transmitidos às crianças no lar e que se solidificavam na escola para toda a vida. Nesse “moderno” ambiente familiar, talvez não haja mais lugar para o mandamento cristão – Honrar Pai e Mãe.


- Degradação da moral e da ética, com incentivo à aceitação de relacionamentos homossexuais, por meio da distribuição pelo governo, nas escolas do primeiro grau, de kits com material para conhecimento dessa prática, sob a denominação de “estímulo ao conhecimento da diversidade sexual”.


REVISIONISMO HISTÓRICO E DIVISIONISMO RACIAL


- Perda do respeito aos pais, às instituições, ao patrimônio público, aos feitos e vultos históricos e aos símbolos da nacionalidade, mediante a prática de verdadeiro revisionismo histórico. A História do Brasil tem sido escrita, segundo a visão marxista de seus autores e, assim, vem sendo transmitida às gerações atuais de estudantes.


- Mais de quinhentos anos da história do País têm sido, simplesmente, reduzidos ao conflito entre opressores e oprimidos, pobres e ricos, brancos e negros, elite européia e índios espoliados. Perdem-se, pois, os fundamentos da própria nacionalidade.


- Estímulo ao divisionismo étnico com a implantação das “cotas raciais”.


- Ódio racial – veneno diariamente inoculado.


- O histórico orgulho brasileiro da miscigenação exemplar e pacífica cai, agora, por terra, com a introdução das cotas raciais para quase todas as atividades da sociedade, onde se reuniu, de um lado, os brancos e, do outro, os pardos ou não brancos (nestes, incluídos os negros, mulatos, índios, mamelucos, amarelos e outros).


BAIXO NÍVEL DO SISTEMA EDUCACIONAL


- Precariedade do ensino, tanto intelectual quanto comportamental; seu uso como instrumento de doutrinação político-partidária e não como fator de desenvolvimento individual e social. Não sem razão, o Brasil de hoje encontra-se nas últimas posições no Programa Internacional de Avaliação de Alunos (PISA).


- Uso da Pedagogia e da Sociolingüística para fins de doutrinação da juventude, com deturpação das regras gramaticais e redacionais, negando-lhe, assim, a cognição, a fim de conduzi-la a um patamar cultural propício à sua dominação pelo Estado.


EXPRESSÃO MILITAR

FORÇAS ARMADAS DESATUALIZADAS E DESPREPARADAS


- Incapacidade de manter o respeito internacional, de garantir a soberania do País e de responder, à altura, a eventuais ameaças externas, além de comprometer a integridade nacional, não despertando a confiança da comunidade mundial para aceitar o Brasil como membro permanente do Conselho de Segurança da ONU.


- Essa mesma comunidade mundial, por sua vez, exerce influência no governo brasileiro para que mantenha as Forças Armadas defasadas e impotentes para reagir, caso se concretize qualquer ameaça à integridade territorial. As peças do jogo de xadrez político são unicamente mexidas pelos “parceiros” de além-fronteiras.


- Dotações orçamentárias insuficientes que, ainda, sofrem severos contingenciamentos rotineiros, que impedem o reaparelhamento e o preparo dos meios militares com qualidade e quantidade adequadas, cenário agravado por uma humilhante política de achatamento salarial da tropa (o mais baixo nível de remuneração do serviço público federal).


- Uso do argumento de “índole pacífica do povo brasileiro” para justificar a criminosa desatenção contra eventuais aventuras belicistas de gananciosos agentes externos, ávidos de usufruir dos bens de seu imenso e rico território. Acresce-se a este primário argumento outro de maior peso e que se evidencia, a cada dia: os países que detêm riquezas minerais e hídricas, mas inexistentes, ou em fase de esgotamento, nos demais países, vêm sofrendo investidas políticas dessas nações belicistas, no sentido de manterem improdutivo o seu parque de material de defesa e desaparelhadas as suas Forças Armadas. Se a beligerância não é própria do brasileiro, tem sido a característica de dominação de outros povos.


- Esquecem-se esses que – “Entre nações não existe amizade, mas, sim, interesses”, e que “uma nação pode permanecer 100 anos sem ter uma guerra, porém, não poderá passar nem um minuto sequer sem estar para ela preparada”.


Tentativa de romper a harmonia das Forças Armadas com a quebra da hierarquia e da disciplina, pela submissão das punições disciplinares à apreciação judicial e pela criação artificial de divisões entre ativos e inativos e entre oficiais e praças.


- Imposição da admissibilidade de costumes, práticas e características individuais incompatíveis com os requisitos indispensáveis ao bom desempenho das atividades castrenses.


- Condescendência, no mínimo, ingênua dos chefes militares pela aceitação silenciosa de um comportamento gramscista, que lhes impõe idéias antagônicas às tradições militares, sob a roupagem camuflada do “politicamente correto”. Tal condescendência muito afetará o ensino militar brasileiro, que deixará de ser “autóctone” para assimilar conceitos perniciosos que serão transferidos aos alunos dos colégios e das escolas militares e à própria Nação.


- No campo interno, ressalta o revanchismo político e a subversão ideológica, praticados por elementos ligados ao partido governista, sistematicamente, direcionados contra as Forças Armadas, como instrumento de sua desagregação na sociedade, funcionando como traição ao País, com feições de um pouco inteligente suicídio nacional

EXPRESSÃO CIENTÍFICO-TECNOLÓGICA

FORMAÇÃO PROFISSIONAL


- Educação não comprometida com a formação de mão de obra qualificada nem com o desenvolvimento técnico-científico, gerando um elevado número de analfabetos funcionais (20,3%), tornando o País um eterno dependente e importador de tecnologia avançada.


- Regras excessivamente castradoras das Universidades brasileiras, impostas pelo governo federal, que dificultam a formação de doutores e lhes limitam as ações, o que praticamente inviabiliza a pesquisa séria e torna quase impossível a criação e o registro de patentes nacionais.


SISTEMA BRASILEIRO DE INTELIGÊNCIA (SISBIN)


- Vulnerabilidade a ataques cibernéticos contra os sistemas informatizados do País – governamentais, econômicos, políticos, militares, técnico-científicos, de segurança pública, etc., sem a respectiva capacidade tecnológica necessária para se contrapor a tais ações.


- Impossibilidade de o Estado atuar na produção e na difusão de conhecimentos indispensáveis ao processo decisório governamental, devido às limitações impostas pela própria legislação que o regulamenta.


CONCLUSÃO


Este documento caracteriza DESESPERADA denúncia ao povo brasileiro, visando a alertá-lo sobre os perigos que estão levando o País a uma situação de instabilidade institucional como, também, de grave vulnerabilidade estratégica.


No âmbito interno, foi atingido o grau mais elevado de corrupção e de descontrole do poder público, levando a sociedade brasileira a perder a confiança nas instituições maiores e ter dúvidas quanto à efetiva vigência do Estado de Direito, em nosso Território.


Os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, sistematicamente, assumem posições que depõem contra a seriedade no desempenho de suas responsabilidades funcionais.


No campo internacional, o planeta demonstra perigosa fragilidade de coesão em consequência da insegurança econômica coletiva, que não poupa, nem mesmo, as outrora inexpugnáveis nações. Evidencia-se, ainda, a instabilidade política epidêmica, com foco no Oriente Médio, acompanhada de decorrentes lutas fratricidas.


Assim, a crise do sistema financeiro internacional e a possibilidade de eclosão de vários conflitos políticos regionais, em face da atual insegurança institucional do Estado Brasileiro, poderão estimular o recrudescimento da cobiça externa, no sentido de a cúpula do “governo mundial” aproveitar a oportunidade da convulsão doméstica, para antecipar a execução de seus eternos planos de dominação.


É, pois, fundamental e urgente, que providências objetivas sejam ultimadas para interromper o perigoso ciclo descendente na vida nacional.


Três medidas simultâneas, de caráter emergencial, destacam-se como prioritárias para o Brasil, neste momento:


- Limpeza orgânica do tecido, em franca decomposição, do Estado Brasileiro, com a punição dos corruptos e irresponsáveis do poder público, e a adoção de comportamento restritivo e vigilante que atue nos pontos críticos desse verdadeiro caos social.


- Elaboração de objetivo programa de reequipamento militar, de modo a conferir, em prazos curtos, real efeito dissuasório para as Forças Armadas, no contexto internacional.


- Atitude enérgica do Povo Brasileiro para protestar, por meio de manifestações coletivas e contínuas a se realizarem em todos os pontos do País, a fim de exigir das autoridades governamentais a correção de todas as ameaças ao Estado Democrático de Direito, denunciadas neste documento.


Rio de Janeiro, 7 de setembro de 2011


Ivan Frota

Presidente da Academia Brasileira de Defesa – Pro Patria



*Ivan Moacyr da Frota (Fortaleza, 16 de Agosto de 1930 ) é um militar brasileiro (Oficial-General aposentado da Aeronáutica).