sábado, 30 de agosto de 2014

Cursos & Eventos: 2ª FEIJOADA VEGANA BENEFICENTE DO INSTITUTO MENSAGEIROS DO AMANHECER - 06/09/2014 - (veja o vídeo)



video







O Instituto Mensageiros do Amanhecer vai realizar a 2ª FEIJOADA VEGANA BENEFICENTE, no dia 06 de setembro de 2014.

A feijoada será servida para viagem em embalagens plásticas descartáveis transparentes próprias, muito bem fechadas e deverá ser retirada no horário das 11hs. às 14 hs., na Casa Índigo de São José do Rio Preto, sede do Instituto Mensageiros do Amanhecer, localizada à Rua Santos Dumont, 36 - Vila Ercília - São José do Rio Preto - SP.

Cada feijoada servirá 2 pessoas, numa embalagem vai a feijoada e noutra vai arroz, farofa vegana, couve vegana e torresmo vegano.

A feijoada e seus acompanhamentos seguem o tempero vegano e a sua aparência, textura e sabor é exatamente igual a de uma feijoada convencional, não deixem de experimentar.

Os convites deverão ser adquiridos antecipadamente por R$ 25,00 cada feijoada. 

Sugerimos que não deixem para adquirir o convite no dia da feijoada para não correrem o risco de ficar sem. 

Reservas ou maiores informações através dos fones (17) 3121-6105 ou 3012-9352 ou ainda através do e-mail: instit.mensageiros.amanhecer@gmail.com 
ou do blog: http://instituto-mensageiros-do-amanhecer.blogspot.com.br 

COLABORE PARA UM MUNDO MELHOR INVESTINDO NA EDUCAÇÃO DE UMA CRIANÇA ÍNDIGO (OU SUPERDOTADA).

COLABORE COM O INSTITUTO MENSAGEIROS DO AMANHECER PARA QUE POSSAMOS OFERECER MELHORES CONDIÇÕES DE EDUCAÇÃO ÀS CRIANÇAS.








terça-feira, 26 de agosto de 2014

HOLOCAUSTO PALESTINO: O tratamento brutal a que são submetidas as crianças palestinas pelo estado TERRORISTA de Israel




[Imagem: 30-israel2-AFP.jpg]
Jornal The Independent revela como Israel se vinga de crianças que atiram pedras



[Imagem: images?q=tbn:ANd9GcRrXaDeWoQ2A5ngedmctew...E7yVRG_ZMG]


Na maioria dos casos, crianças palestinas de até 12 anos de idade são arrancadas da cama à noite, algemadas e vendadas, ficam sem dormir ou sem comida, são submetidas a longos interrogatórios e então forçadas a assinar confissões em hebreu, um idioma que poucas tem capacidade de ler.


[Imagem: palestina-israel.jpg]
Menino se urina ao ser capturado por soldados de Israel



O menino, pequeno e frágil, está lutando para ficar acordado. Sua cabeça pende para o lado, a certa altura caindo sobre o peito. “Levanta a cabeça! Levanta!”, grita um dos interrogadores, estapeando o menino. Mas ele a essa altura não parece mais se importar, porque está acordado por pelo menos doze horas desde que foi tirado de casa e separado dos pais às duas da manhã, sob a mira de uma arma. “Eu gostaria que vocês me soltassem”, ele choraminga, “assim eu poderia dormir um pouco”.

Durante o vídeo, de quase seis horas, o palestino Islam Tamimi, de 14 anos de idade, exausto e amedrontado, é continuamente pressionado, a ponto de começar a incriminar homens de sua vila e a tecer lendas fantásticas que, acredita, seus tormentadores querem ouvir.

Estas imagens raras, vistas pelo Independent, oferecem uma janela num interrogatório israelense, quase um rito de passagem que centenas de crianças palestinas acusadas de atirar pedras enfrentam todo ano.

Israel tem defendido fortemente seu comportamento, argumentando que o tratamento dados aos menores melhorou vastamente com a criação de uma corte militar juvenil dois anos atrás. Mas as crianças que enfrentaram a dura justiça da ocupação contam uma história bem diferente.




Até mães com bebes no colo são presas e arrastadas sem qualquer justificativa. Os soldados nazi/sionistas tem necessidade de praticar a violência para lembrarem as suas origens de povos bárbaros caucasianos.



“Os problemas começam muito antes de as crianças serem trazidas para o tribunal, começam com a prisão delas”, diz Naomi Lalo, uma ativista do No Legal Frontiers, um grupo israelense que monitora os tribunais militares. É durante os interrogatórios que o destino da criança “é decidido”, ela diz.

[Imagem: palestina-israel-rana.jpg]
Jovem palestina escala tanque e desafia exército israelense, que reage covardemente







Sameer Shilu, de 12 anos, estava dormindo quando soldados derrubaram a porta da frente da casa dele uma noite. Ele e o irmão mais velho sairam do quarto com os olhos embaçados para encontrar seis soldados destruindo a sala-de-estar.

Checando o nome do menino na carteira de identidade do pai, o oficial israelense parecia “chocado” quando viu que precisava prender uma criança, disse o pai de Sameer, Saher. “Eu disse, ‘ele é muito jovem: por que você o quer?’ ‘Eu não sei’, ele respondeu”. Vendado e com as mãos dolorosamente atadas por algemas plásticas nas costas, Sameer foi colocado em um Jeep, com o pai gritando que não tivesse medo. “Nós choramos, todos nós”, o pai diz. “Eu conheço meus filhos; eles não atiram pedras”.

Nas horas que antecederam o interrogatório, Sameer foi mantido vendado e algemado, sem poder dormir. Eventualmente levado para um interrogatório sem um advogado ou parente presente, um homem o acusou de participar de uma demonstração e mostrou imagens de um menino atirando pedras, dizendo que era ele.

“Ele disse, ‘este é você’ e eu disse que não era eu. Então ele me perguntou, ‘quem são eles?’ e eu disse que não sabia”, Sammer conta. “A certa altura, o homem começou a gritar comigo, me agarrou pelo colarinho e disse ‘eu vou jogar você pela janela e te bater com um pau, se você não confessar’”.

Sameer, que se disse inocente, teve sorte; ele foi solto algumas horas depois. Mas a maior parte das crianças é amedrontada a ponto de assinar uma confissão, sob ameaça de violência física ou contra as famílias, como a da retirada das permissões de trabalho.

Quando uma confissão é assinada, os advogados geralmente orientam as crianças a aceitar um acordo e a servir uma sentença de prisão, mesmo que não sejam culpadas. Alegar inocência quase sempre representa longas ações no tribunal, durante as quais a criança quase sempre fica presa. Sentenças em favor das crianças são raras. “Numa corte militar, você deve saber que não deve procurar por justiça”, diz Gabi Lasky, uma advogada israelense que representou crianças.

Existem muitas crianças palestinas em vilas da Cisjordânia sob a sombra do Muro israelense da separação ou de assentamentos judaicos em terras palestinas. Onde grandes protestos não-violentos se deram como forma de resistência, existem crianças que atiraram pedras e patrulhas de Israel nessas vilas são comuns. Mas advogados e grupos de defesa dos Direitos Humanos protestam contra a política de Israel de tornar alvo as crianças de vilas que resistem à ocupação.

[Imagem: palestina-israel2.jpg]


Na maioria dos casos, crianças de até 12 anos de idade são arrancadas da cama à noite, algemadas e vendadas, ficam sem dormir ou sem comida, são submetidas a longos interrogatórios e então forçadas a assinar confissões em hebreu, um idioma que poucas tem capacidade de ler.

O grupo de Direitos Humanos B’Tselem concluiu que “os direitos dos menores são severamente violados, que a lei quase sempre fracassa na proteção de seus direitos, e que os poucos direitos dados a eles sob a lei não são implementados”.

Israel alega que trata os menores palestinos no espírito de sua própria lei para jovens mas, na prática, este é raramente o caso. Por exemplo, crianças não deveriam ser presas à noite, advogados e parentes deveriam estar presentes durante os interrogatórios e é preciso ler os direitos para as crianças presas. Mas Israel trata isso como comportamento recomendando, não como exigência legal, e os direitos das crianças são frequentemente violados. Israel considera jovens israelenses como crianças até 18 anos, enquanto palestinos são vistos como adultos a partir dos 16 anos de idade.

Advogados e ativistas dizem que mais de 200 crianças palestinas estão em prisões israelenses. “Se você quer prender estas crianças, se quer julgá-las”, diz a srta. Lalo, “tudo bem, mas faça isso de acordo com a lei de Israel. Dê a elas os seus direitos”.

No caso de Islam, o menino do vídeo, a advogada dele, srta. Lasky, acredita que o vídeo é prova de sérias irregularidades no interrogatório.

Em particular, o interrogador não disse a Islam que ele tinha direito de ficar calado, e o menino foi ouvido sem a advogada, que tentou vê-lo mas não conseguiu. Em vez disso, o interrogador pediu a Islam que contasse tudo a ele e aos colegas, sugerindo que se fizesse isso ele seria solto. Um interrogador sugestivamente socou uma das mãos, fechada, na palma da outra.

Ao final do interrogatório Islam, chorando entre soluços, sucumbiu aos interrogadores, aparentemente dando a eles o que queriam ouvir. Numa página de fotografias, a mão do menino se moveu sobre as imagens, identificando moradores da vila que mais tarde seriam presos por protestar.

A srta. Lasky espera que a divulgação do vídeo mude o tratamento das crianças presas nos territórios ocupados, em particular na forma como são usadas para incriminar outros, o que advogados alegam é o principal objetivo dos interrogadores. O vídeo ajudou a conseguir a soltura de Islam, do presídio para prisão domiciliar, e pode levá-lo a ser inocentado das acusações de atirar pedras. Mas, neste momento, um Islam silencioso não acredita em sua sorte. A metros de sua casa em Nabi Saleh fica a casa de uma prima, cujo marido está preso à espera de julgamento junto com uma dúzia de outros com base na confissão do menino.

A prima é magnânima. “Ele é uma vítima, ele é apenas uma criança”, diz Nariman Tamimi, de 35 anos, cujo marido, Bassem, de 45 anos, está na prisão. “Não devemos culpá-lo pelo que aconteceu. Ele estava sob enorme pressão”.

A política de Israel tem sido bem sucedida num sentido: criar medo entre as crianças e evitar que elas participem de futuras manifestações. Mas as crianças ficam traumatizadas, sujeitas a pesadelos e a molhar a cama à noite. A maioria acaba perdendo o ano escolar, ou abandona a escola.

Os críticos de Israel dizem que a política em relação às crianças palestinas está criando uma nova geração de ativistas com os corações cheios de ódio contra Israel. Outros dizem que ela mancha o caráter do país. “Israel não tem nada que prender estas crianças, julgá-las ou oprimí-las”, a srta. Lalo diz, com os olhos marejados.

“Elas não são nossas crianças. Meu país está fazendo muitas coisas erradas e as justificando. Nós deveríamos servir de exemplo, mas nos tornamos um estado opressor”.

Números de crianças detidas

7000. O número estimado de crianças palestinas detidas e processadas pelos tribunais militares israelenses desde 2000, de acordo com relatório do Defesa Internacional de Crianças Palestinas (DCIP)

87. Porcentagem de crianças submetidas a alguma forma de violência física durante a custódia. Cerca de 91% tiveram os olhos vendados em algum momento da detenção.

12. A idade mínima de responsabilidade criminal, conforme estipulado pela Ordem Militar 1651.

62. Porcentagem das crianças presas entre meia-noite e 5 da manhã.


O vídeo que é mencionado na matéria não mais existe. Os aqui expostos são apenas os muitos que estão disponíveis na internet.





http://www.pragmatismopolitico.com.br/20...srael.html






Relatório da organização Breaking The Silence:
Depoimentos de ex-soldados expõem os abusos do exército nazi-israelense entre 2005 e 2011 contra as crianças palestinas. 



Ex-soldados israelitas revelam rotina de humilhação e violência contra crianças palestinas.
Crianças e jovens palestinos são vítimas diárias da violência e humilhação das tropas israelitas (nazistas). 




Durante uma madrugada em 2009, todas as casas da cidade palestina Salfit, localizada na Cisjordânia, foram invadidas por soldados israelitas. A ordem do Comando Central era prender todas as pessoas que tivessem de 15 a 50 anos e levá-las para uma escola que se havia tornado provisoriamente um centro de detenção. Isso porque a Agência de Segurança de Israel, que realiza o serviço de segurança interna, queria recolher informações sobre as pedras que eram jogadas contra jipes militares nas estradas e ruas em redor da cidade.

Os militares colocaram vendas e algemas de plástico, muitas vezes apertando-as, nos jovens e adultos. Por sete horas, estes palestinos permaneceram sentados sem se poderem mexer, sem acesso à água e comida, sob um sol escaldante. Eles não sabiam por que estavam lá e nem o que seria feito pelos militares - um dos jovens urinou nas calças. Muitos ficaram com as mãos roxas pela falta de circulação sanguínea e outros com os braços dormentes por conta das algemas. Um dos garotos, de apenas 15 anos, pediu para ir à casa de banho e, antes de ser levado por um soldado, foi espancado ainda no chão.

Essa é apenas uma das muitas histórias publicadas neste domingo (26/08) pela Breaking the Silence (Quebrando o Silêncio em tradução livre), uma organização de antigos oficiais do Exército de Israel dedicada à divulgação das ações militares nos territórios palestinos ocupados. Mais de 30 ex-soldados revelaram como trataram crianças e jovens palestinos durante as operações militares e prisões de 2005 a 2011, revelando um padrão de abuso.

O documento está repleto de descrições de intimidações, humilhações, violência verbal e física e de prisões arbitrárias por parte dos militares israelitas em circunstâncias cotidianas na Cisjordânia e na Faixa de Gaza. Os casos tratam de jovens e crianças que atiraram pedras ou outros objetos contra jipes militares, que participaram de protestos ou que simplesmente sorriram para um soldado, deixando-o irritado. Não faltam histórias também de palestinos presos e agredidos arbitrariamente: “O garoto não foi mal-educado e nem tinha feito nada para irritar. Ele era árabe”, se justifica um antigo sargento do Exército de Israel no relatório.

O argumento central da maioria das histórias é que, com as prisões e agressões, esses jovens aprenderiam que não podem jogar pedras contra os militares nem se manifestar de alguma forma entendida pelos israelitas como violenta. “Muitos dizem que os palestinos devem ser espancados, porque esta é a única forma que podem aprender”, conta um antigo militar não identificado.

Apesar de alguns ex-soldados repetirem essa justificação, a maioria admite que as ações não tiveram resultados. Pedras continuaram a ser atiradas, pneus queimados e protestos realizados, mas as ações militares permaneceram as mesmas. “Muitas vezes me senti muito ambivalente, incerta do que estava fazendo e em que lado eu estava nisso tudo”, diz uma sargenta.

Arrependimento

A imagem de crianças espancadas, feridas por tiros de bala de borracha e de pólvora, humilhadas e apavoradas marcou muitos dos militares envolvidos nas ações e hoje eles decidiram relatar a indiferença adquirida nos corpos do Exército. “Ele cagou nas calças, eu escutei, presenciei a humilhação. Eu também senti o cheiro. Mas, eu não me importava”, lembra um ex-sargento da detenção de uma criança.

“O que nós fazíamos não era nada em comparação com o que eles faziam”, conta um militar, referindo-se ao batalhão de patrulha das fronteiras. “Eles não ligavam a mínima. Saiam partindo o joelho das pessoas como se não fosse nada. Sem piedade”, lembra, indignado.

"Você nunca sabe os seus nomes, você nunca fala com eles, eles sempre choram, cagam nas suas próprias calças… Há aqueles momentos incómodos, quando você está em uma missão de prisão, e não há espaço na espaço de polícia, então você pega a criança de volta, coloca-lhe uma venda, mete-a numa sala e espera a polícia para vir buscá-lo na parte da manhã. Ele fica ali como um cão", descreve um ex-militar.

O documento abrange também casos em que os próprios militares provocavam palestinos para poderem ripostar. Eles estariam "entediados". O ex-primeiro sargento de um batalhão em Hebron revela que seu grupo atirava granadas dentro de mesquitas durante cerimónias e que um comandante impedia as pessoas de saírem da reza por horas até alguém mandar um cocktail molotov ou atirar pedras. Ele diz que usavam as crianças como escudos humanos e que apontavam armas à sua cabeça para os deixarem apavorados. “Foi somente depois que comecei a pensar nessas coisas, nós perdemos todo o senso de compaixão”, conclui.

Ódio

Apesar de estes soldados possuírem remorso e arrependimento, eles contam que muitos de seus companheiros e eles próprios odiavam os árabes e eram convictos do que faziam. “Eles eram vermes e em algum ponto, eu lembro que eu os odiava, odiava eles [palestinos]. Eu era um racista, estava tão zangado com eles pela sua sujidade, a sua miséria, essa porcaria toda”, afirma um sargento de Hebron.

O relatório revela que os militares tinham que seguir regras de procedimento nas suas ações, mas que na experiência quotidiana isso não funcionava. Para prender um palestino, tinham que vendá-lo e algemá-lo; para conter uma manifestação ou impedir um palestino de fugir, deveriam atirar contra as suas pernas a uma distância de 20 metros; para bater em um palestino com o cassetete, não podiam atingir a sua cabeça.

“Disseram-nos para não usar o cassetete na cabeça das pessoas. Eu não me lembro onde disseram que era para bater, mas assim que a pessoa está no chão e você a está a espancar com um cassetete, é difícil de distinguir”, diz um ex-sargento de Ramallah, na Cisjordânia. Outro sargento lembra um protesto: “O tipo ao meu lado atirou no chão para fazê-los correr e de repente, ele disse ‘Oops!’. Eu olho e vejo uma criança sangrando no chão. Quatro palestinos foram mortos naquela noite. Ninguém falou connosco sobre isso. Não houve nenhuma investigação”.

As declarações foram reunidas para mostrar a realidade do quotidiano dos soldados israelitas em relação ao povo palestino.

“Lamentavelmente esta é a consequência moral de tantos anos de ocupação dos territórios palestinos”, explica Yehud Shaul da Breaking the Silence.

Para ler o relatório na íntegra:


http://www.breakingthesilence.org.il/wp-...11_Eng.pdf
http://www.esquerda.net/artigo/ex-soldad...tinas/2438






Fonte: http://forum.antinovaordemmundial.com/

















Japão Retira Apoio à Vacina Contra HPV Devido aos Efeitos Adversos, Como Infertilidade e Paralisia



vacina_hpv (Foto: shutterstock)


O Ministério da Saúde do Japão está expondo os efeitos colaterais destrutivos provenientes das populares vacinas contra o HPV como a Gardasil (escolhida para o Brasil) e a Cervarix,  promovidas mundialmente. Até hoje, cerca de 3,28 milhões de japoneses exclusivamente foram inoculados com estas vacinas contra a HPV. Até o momento, 1.968 casos
adversos foram apresentados ao governo japonês, detalhando efeitos colaterais médicos graves.
Gardasil é fabricada pela Merck e Cervarix é fabricada pela GlaxoSmithKline.
Os japoneses estão relatando efeitos colaterais variando desde “dor prolongada e dormência à infertilidade e paralisia.” Na esteira destas queixas, o governo japonês decidiu retirar seu apoio a estas amplamente difundidas e controversas vacinas contra o HPV.

Organizações globais empurram vacinas a todo custo

Independentemente disso, a Organização Mundial de Saúde destaca a eficácia  pela vacinação contra o HPV, acreditando que elas sejam ferramentas úteis para “prevenção” do câncer cervical.
A gigante farmacêutica mundial Merck (também conhecida agora como MSD)  também não está dando ouvidos aos relatórios fundamentados dos terríveis efeitos colaterais da vacinação mas, afirmando em uma decisão pública: “Enquanto a relação causal direta entre as vacinas e sintomas graves observados após a inoculação não foi estabelecida até o momento … Vamos continuar a colaborar com todas as partes interessadas, incluindo (o Ministério da Saúde), para monitorar e verificar os dados de segurança em relação a retomada da promoção ativa para a vacinação contra o HPV o mais rapidamente possível.

O governo do Japão de olho em cerca de 2.000 reações adversas da vacina HPV

As vacinas de HPV não foram paralisadas ou suspensas no Japão. O governo simplesmente não apenas está promovendo ativamente mais o uso delas. Estas vacinas contra o HPV ainda estão disponíveis gratuitamente para meninas, fornecidas através de subsídios, exigido por lei. A única diferença agora é que as instituições médicas japonesas devem agora informar as jovens garotas que o ministério de saúde do governo japonês não recomenda mais a vacina contra HPV.
Na esperança de apelar a todos, Mariko Momoi, vice-presidente da International University of Health and Welfare O-tawara, comentou: “A decisão (não recomendar a vacinação) não significa que a vacina em si é problemática do ponto de vista de segurança. Com a implementação de investigações, queremos oferecer informações que podem fazer as pessoas se sentirem mais à vontade“.
Momoi é o líder na força tarefa do governo conduzindo a investigação da vacinação contra o HPV. A força-tarefa ouviu 1.968 efeitos adversos e estão investigando mais profundamente 43 dos casos. Nos próximos meses, o governo será forçado a decidir continuar retirando o seu apoio ou para ir em frente e restabelecer a sua recomendação para as vacinas.
“É bem-vinda a decisão de não recomendar a vacinação, mesmo que seja um pequeno passo”, disse Mika Matsufuji, chefe de um grupo de pais que diz
que seus filhos sofreram efeitos adversos da vacinação. “Os pais podem decidir se seus filhos devem receber a vacinação ou não“, disse ela.

Os EUA usam o dinheiro do contribuinte para pagar a vacinação perigosa Gardasil

Apesar das crescentes evidências dos perigos da Gardasil, outros países permanecem sob o polegar de vacinas da Merck soletrar. Por exemplo, os Estados Unidos recomenda que avidamente adolescentes HPV ser vacinados, uma vez que promovem estudos apoiados pela indústria que tout da vacinação “eficácia”. Os Estados Unidos usam ativamente dólares dos contribuintes para financiar vacinas federais para programas infantis, que incluem o uso de Gardasil, prestados pelos Centros de Controle de Doenças . De fato, 20 estados aprovaram leis que reservam fundos para programas de educação Gardasil e implementação. Enquanto os governos acreditam que estão promovendo a saúde geral e bem-estar, é importante olhar para as estatísticas documentados de pessoas que experimentam efeitos secundários perigosos.
Aqui está uma lista (em inglês) de incidências de hospitalização dos EUA devido à vacinação do HPV.
Merck (MSD) tem uma histórico de corrupção
Um estudo médico canadense, realizado pela Universidade de Neural Dynamics Research Group, da British Columbia , o primeiro relatado pelo Washington Examiner, incluiu uma lista de efeitos colaterais da vacina Gardasil que implicaram em: morte, convulsões, parestesia, paralisia, síndrome de Guillain-Barré, mielite transversa, síndrome facial fadiga cerebral, crônica, anafilaxia, doenças auto-imunes, e trombose venosa profunda”, entre outros. Esta não é a primeira onda de corrupção médica Merck promoveu. Merck é conhecida por falsificar os resultados dos testes para as suas próprias vacinas contra caxumba. Dois ex- funcionários entraram com uma ação em 2010 alegando que a empresa convenceu o governo federal para a comprar centenas de milhões de dólares em vacinas inúteis.
A Merck também é conhecida por seu aditivo para aumentar o peso dos animais antes do abate, chamado Zilmax, que foi suspenso nos EUA após causar graves problemas nos animais. Ela foi suspensa no Brasil também após um curto período de comercialização. Entrei em contato com a empresa e amanhã devo ter mais informações. O mais conhecido escândalo da empresa foi o remédio Vioxx 1999-2004, que rendeu 38 mil mortes e um recall massivo.
Então, por que qualquer um, qualquer governo, qualquer pessoa em sã consciência confiaria em gigantes farmacêuticas como a Merck? Porque é que esta organização de assassinos e ladrões está ainda em operação?
Por que todos os governos ainda não retiraram o seu apoio a estas perigosas vacinas contra o HPV como a Gardasil? Por que as verdadeiras alternativas para prevenção de cânceres cervicais e outros não discutidas? Porque é que qualquer coisa que ameace a fertilidade humana seja amplamente promovido?




Fonte: http://www.noticiasnaturais.com/






França Inicia o Debate sobre Possíveis Danos do Alumínio da Vacina Contra o HPV




O uso de adjuvantes de alumínio em vacinas contra o HPV e os benefícios desta, serão objetos de escrutínio e debate científico aberto em 22 de maio de 2014, na França. Os interessados de ambos os lados do debate sobre a vacina terão a oportunidade de apresentar seus estudos aos membros do Parlamento Francês, ao Senado do país vizinho Espanha, às autoridades sanitárias, aos profissionais médicos e ao público.
Tudo isso é possível graças ao esforço realizado por parte da E3M, uma organização não governamental de pacientes com miofascite macrofágica (MMF) e a Parliamentary Office for Evaluation of Scientific and Technological Choice (OSTA), segundo informa o grupo de trabalho SaneVax.
A MMF é uma lesão com presença de sinais de alumínio observada no lugar em que a pessoa recebeu previamente uma vacina que contem alumínio (uma espécie de “tatuagem” residual que a vacina deixa).
O alumínio está presente em muitas vacinas em forma de hidróxidofosfato ou de fosfohidróxido. Os coadjuvantes estão presentes em vacinas para aumentar o efeito imunológico e, em alguns, para assegurar a efetividade.
Alguns pesquisadores informaram sobre diversas reações adversas provocadas por vacinas que contem alumínio, entre elas: reações no local da injeção com enrijecimento, abcessos estéreis, nódulos subcutâneos, inflamação granulomatosa e eritema, assim como síndrome progressiva denominada miofascite macrofágica que comentamos e que está caracterizada pela perda de massa muscular e exaustão.
Depois de vários ensaios em crianças menores, as vacinas com hidróxido de alumínio causaram mais eritema e enrijecimento que as vacinas sem adjuvantes (sem alumínio) 1.
Parece que o governo francês se importa suficientemente com a saúde e o bem estar de seus cidadãos como ouvir ambas as partes em um debate aberto sobre a vacina contra o papilomavírus humano (HPV), o mesmo “debate” que os demais funcionários de saúde do governo de outros países afirmam que não existe, entre eles a Espanha e o Brasil.
Os funcionários do governo francês estão dispostos a ouvir as vítimas que tem sofrido reações adversas após a vacinação; Eles estão dispostas a ouvir os cientistas e os profissionais médicos que tem conduzido a investigações para averiguar por que algumas pessoas são propensa a experimentar reações adversas após receber esta e outras vacinas.
A França está abrindo o caminho para a segurança das vacinas. Os governos de outros países escutam as pessoas afetadas pela vacina? Os governos de outros países patrocinam um debate científico aberto?
Como explica Alicia Capilla, presidente da Asociación de Afectadas por la Vacuna del Papiloma (AAVP):
Esperamos que nosso governo também atenda nossas petições e já que no prazo de dois meses a AAVP solicitou uma reunião urgente com o Ministério da Saúde. A primeira foi negada, a segunda petição, todavia, ainda não nos responderam.
Isso ocorre na França, como dissemos. Na Espanha, assim como no Brasil,  parece não interessar quaisquer crítica a esta vacina.
————————————–
Acredito que seja hora de criarmos uma Associação semelhante a esta da Espanha, para que possa representar as dezenas de famílias afetadas permanentemente por esta vacina. Caso você ou alguém da sua família ou amigos tenha sido afetado pela vacina, envie um email para blogantinom arr0ba gmail.com.





Fonte: http://www.noticiasnaturais.com/





[Dossiê] Vacinação Contra HPV Conheça o Perigo que ela Representa e Tome uma Decisão Informada


Com o início desta mega campanha nacional para vacinação contra o HPV de milhões de meninas indefesas entre 11 e 13 anos de idade em todo o Brasil, é extremamente necessário que as pessoas tenham acesso a todas as informações, prós e contras.
Apesar de ser uma vacina rodeada de suspeitas, mortes, efeitos adversos e muita controvérsia, o governo planeja vacinar ao menos 80% de todas as meninas entre 9 e 13 anos, e não está fornecendo aos pais uma real ideia dos riscos para que estes tomem uma decisão informada. Veja neste post o porquê desta vacina não ser realmente necessária como o governo mostra, o histórico negro da vacina contra HPV na europa e nos EUA (aparentemente ignorado pelo governo brasileiro) e todos os detalhes, incluindo o gasto de dinheiro público de mais de 1 BILHÃO DE REAIS, gasto para comprar e injetar uma vacina desnecessária e perigosa. É muito importante você se informar e compartilhar esta informação! Todas as informações aqui podem ser verificadas nos links através de estudos e notícias. Utilize o google translate se necessário para traduzir materiais em inglês.
Índice do artigo:
- Detalhes sobre a campanha no Brasil
- Gardasil realmente previne câncer de colo de útero?
- Perigo Ignorado – Graves Efeitos Colaterais
- Relatos de vidas destruídas pela vacina
- [VIDEO] Menina de 12 Anos no Ceará Fica Cega Após Tomar Vacina Contra HPV (novo)
- [ESTUDO] Vacina Contra HPV Pode Causar Cegueira (novo)- O que dizem especialistas brasileiros- Estudo de Vacinas contra o HPV Revela Perigos “Inevitáveis” de Doenças Auto-Imunes- Fabricante da vacina (Merck) acusada por ex-empregados de forjar resultados da eficácia de vacinas- Gasto Exorbitante- Vacina contra HPV Recomendada pela OMS, que por sua vez já foi acusada de beneficiar a indústria das vacinas- Bula – Composição, Efeitos Colaterais e Precauções- Cura Natural?- Conclusão


Detalhes sobre a campanha no Brasil
Em setembro de 2013, o Senado Federal aprovou um projeto de lei que prevê que meninas de 9 a 13 anos tenham o direito de receber gratuitamente na rede pública de saúde a vacina contra o HPV.
Já o projeto de lei nº 238/2011 prevê a vacinação de mulheres de 9 a 45 anos de forma “gratuita”. Claro que seremos todos nós contribuintes que estaremos pagando a conta desta bolada. Veja mais embaixo o rombo que será no orçamento.
Contrato e imunidade a indenizações - O contrato inicial prevê a compra de 36 milhões de doses da vacina durante cinco anos, que daria para vacinar em torno de 12 milhões de pessoas. No Brasil o governo está utilizando a Gardasil, da Merk (MSD), veja mais abaixo que a Merk está sendo acusada por ex-funcionários de fraudar estudos para aumentar a eficácia de outras vacinas (ou veja a reportagem específica aqui). Iremos nos próximos dias localizar o contrato com a Merk e disponibilizar aqui. Estou especialmente interessado o que diz o contrato em relação a indenizações de danos causados pela vacina. Se seguir a tendência da vacina contra H1N1, estes contratos geralmente vem com uma cláusula que exime o fabricante de qualquer indenização, o que na prática faz com que o estado negue a todo custo a ligação entre a vacina e os efeitos adversos.
As 3 doses da vacina gardasil na rede privada são vendidas em média por R$ 1.000,00. Pelo contrato de mais de um bilhão de reais, o preço por dose foi reduzido a R$ 30,00. O contrato foi feito em parceria para o Desenvolvimento Produtivo (PDP) entre o Butantan e a Merck. Veja aqui o escândalo envolvendo o Butantan durante a pandemia da gripe suína, onde o órgão não produzia as vacinas apesar do investimento de quase meio bilhão de reais.
O governo brasileiro resolveu adotar o esquema vacinal estendido recomendado pelo Grupo Técnico Assessor de Imunizações da Organização Pan Americana de Saúde (TAG/OPAS). Inicialmente em 2014 a vacinação será oferecida para meninas de 11 a 13 anos. A partir de 2015 meninas de 9 e 10 anos também receberão a vacina. Serão três doses por menina (0 – 60 – 180 dias).
No Brasil, a vacina contra HPV vem junto com uma sexualização precoce das crianças, que cada vez mais cedo tem contato com a sexualidade dentro da própria escola. Temos informações que este ano serão distribuídas camisinhas para crianças de 13 anos. Existe ainda a argumentação por algumas pessoas que a vacinação contra HPV iria induzir ao sexo sem proteção, por acharem que estarão imunes a doença, se esquecendo que várias outras doenças podem ser transmitidas sexualmente.
Gardasil realmente previne câncer de colo de útero?
Esta afirmação vem sendo repetida sem parar para justificar a vacinação em massa sendo feita nas escolas de nosso país. Mas ela é realmente verdadeira? Vamos ver o que diz um estudo publicado no ano passado, chamado “A política de vacinação do papilomavírus humano (HPV) e medicina baseada em evidência: Elas estão em desacordo?“, publicado em março de 2013. Neste estudo, as seguintes conclusões são apresentadas:
- Até o momento, a eficácia das vacinas contra o HPV na prevenção do câncer do colo do útero não foi demonstrada, enquanto os riscos de vacinas ainda não foram completamente avaliados.
- Atuais práticas de imunização do HPV no mundo todo, com qualquer uma das duas vacinas contra o HPV parece ser nem justificadas por benefícios a saúde a longo prazo, nem economicamente viável, e nem há qualquer evidência de que a vacina contra o HPV (mesmo se revelar ser eficaz contra o câncer do colo do útero) reduziria a taxa de câncer de colo do útero além do que o exame de Papanicolau já alcançou.
- Cumulativamente, a lista de reações adversas graves relacionados com a vacinação contra o HPV em todo o mundo inclui mortes , convulsões, parestesia , paralisia, síndrome de Guillain-Barré (GBS), mielite transversa, paralisia cerebral, síndrome de fadiga crônica , anafilaxia , desordens auto-imunes, trombose venosa profunda, embolia pulmonar ACIAL e cânceres cervicais.
- Como o programa de vacinação contra o HPV tem cobertura global, a saúde a longo prazo de muitas mulheres podem bater o risco contra os ainda desconhecidos benefícios da vacina.
- Os médicos devem adotar uma abordagem mais rigorosa de medicina baseada em evidências, a fim de fornecer uma avaliação equilibrada e objetiva dos riscos e benefícios da vacina.
Este mesmo estudo ainda diz que :
No momento não há dados significativos que mostrem que  Gardasil (MSD) ou Cervarix (GSK) podem impedir qualquer tipo de câncer do colo do útero uma vez que o período de testes empregado foi muito curto para avaliar benefícios de longo prazo da vacinação contra o HPV. Os períodos mais longos de dados de acompanhamento de ensaios de fase II para Gardasil e Cervarix são 5 e 8,4 anos, respectivamente, enquanto que o câncer cervical invasivo leva até 20-40 anos para se desenvolver a partir do momento de aquisição da infecção pelo HPV… No entanto, apesar do câncer colo do útero poder ser causado pela exposição persistente a 15 dos 100 HPVs existentes através de contato sexual, até mesmo infecções por HPV persistentes causadas por HPV de “alto risco” geralmente não irão levar a lesões precursoras imediatas, e muito menos a longo prazo, ao câncer. A razão para isso é que, tanto quanto 90% das infecções por HPV desaparecem espontaneamente dentro de 2 anos, e daqueles que não resolvem , apenas uma pequena proporção pode evoluir para o câncer ao longo dos 20-40 anos subseqüentes. Além disso, os dados de investigação indicam que graus mais elevados de atipia (tais como CIN 2/3) pode resolver ou estabilizar ao longo do tempo.
Perigo Ignorado – Graves Efeitos Colaterais 
Ao impor mais esta vacina no já lotado calendário vacinal brasileiro, as chamadas autoridades da saúde ignoram os mais diversos problemas que vem sendo relatado no exterior. O Japão, por exemplo, não recomenda mais a vacina depois do surgimento de vários casos de dores de longa duração e dormência à infertilidade e paralisia. Vejam  a notícia completa no Tokyo Times (em inglês) ou veja maiores detalhes no post “Japão Retira Apoio à Vacina Contra HPV Devido aos Efeitos Adversos, Como Infertilidade e Paralisia“.
Na contramão do resto do mundo, onde por exemplo nos EUA a cada ano menos pais vacinam suas filhas contra o HPV, mostrando uma conscientização cada vez maior a respeito dos perigos da vacina contra o HPV, o governo do Brasil segue sem reação alguma, preparado para vacinar 80% das meninas entre 9 e 13 anos.
Efeitos colaterais após vacinação nos EUA
Nos EUA, diferentemente do Brasil, existe um site governamental no qual podem ser feitas pesquisas dos efeitos colaterais das vacinas. Eu fiz a pesquisa para as vacinas Gardasil e Cervarix, agrupando por tipo de efeito colateral e ano, abaixo você pode ver os casos de efeitos adversos registrados nos EUA, de 2007 a 2014:
Podemos ver os preocupantes números dos efeitos adversos registrados reportados para a vacina Gardasil, a mesma que será utilizada nas meninas brasileiras. Isto apenas nos EUA, pois na europa também houve inúmeros casos de efeitos adversos graves. Apenas em 2013 houveram 27 mortes, 53 meninas em risco de vida, 78 meninas com invalidez permanente!
Nota: Para reproduzir a consulta acima, entre no site do VAERS, clique no botão “VAERS Data Search”, já no primeiro campo (“Group Results By“) selecione “Year Reported“, vá ao item “3. Select vaccine characteristics:” e clique na aba “Search”, no primeiro campo depois de “Search in:  Vaccine Products” escreva “Gardasil” e clique botão “Search”. Clique no resultado “>1098 (HPV (GARDASIL))“.  Na opção 4, no campo “State / Territory“, escolha a primeira opção “All locations“. Aperte o botão “send” (qualquer um) e aguarde o resultado.
Tempo decorrido até os efeitos adversos:
Muitas pessoas acreditam que os efeitos são visíveis apenas no momento da aplicação da vacina. Este não é exatamente o caso. Nestas duas outras tabelas que seguem eu filtrei os efeitos adversos da vacina contra HPV e agrupei pelo tempo entre a vacinação até os efeitos adversos relatados. A primeira tabela contém todos os eventos adversos, incluindo menos graves. Já a segunda tabela eu filtrei apenas os casos de morte, risco de vida e invalidez permanente:
Então, quando alguém disser que a vacina já foi testada antes, e que os efeitos colaterais são leves e pouco frequentes, podemos mostrar esta tabela, além dos inúmeros casos que passarei a registrar abaixo e nas próximas semanas neste site. Este post será atualizado para refletir as últimas informações disponíveis.

Relatos de vidas destruídas pela vacina

Vacina Contra o HPV e Vidas Destruídas – Britânica de 13 anos Fica Com Síndrome da Fadiga Crônica (novo)
reino_unido_vacina_hpv_efeitos_adversosAbaixo você acompanha o relato de um pai que viu sua filha, Lucy Hinks, passar de uma saudável jovem de 13 anos a uma menina doente, com diversos problemas de saúde e dormindo 23 horas por dia,  logo após a terceira dose de sua vacina contra HPV. Com tratamentos alternativos a jovem teve uma certa melhora, mas mesmo 3 anos após os primeiros sintomas ela ainda sofre as duras consequências de uma decisão baseada em poucas informações. Logo abaixo você pode ver a matéria publicada em 2011 do G1, intitulada “Britânica dorme 23 horas por dia depois de tomar vacina contra HPV“. O relato abaixo é datado de fevereiro de 2013:
Por Steve Hinks
Nossa filha, Lucy, contraiu sarampo na semana depois de sua vacinação tríplice viral. No fim de semana seguinte, ela foi internada em um ala de isolamento do hospital com suspeita de meningite, Algumas semanas depois, ela desenvolveu um gânglio linfático, aumentado no pescoço que persistiu até que foi removido cirurgicamente. Então, quando ela trouxe um termo de consentimento da escola para a vacinação contra o HPV, sua mãe e eu estávamos relutantes em conceder permissão para que ela tomasse a série de três doses da vacina Cervarix.
Leia mais…
Um novo estudo publicado em janeiro de 2014 intitulado “Sobre a relação entre a vacina contra o vírus do papiloma humano e doenças auto-imunes”, está destinado a reabrir a polêmica em torno dos inúmeros relatos de danos induzidos pela vacina contra o HPV. O estudo aponta que “junto com a introdução das vacinas contra o HPV, vários casos de aparecimento ou exacerbação de doenças auto-imunes após a aplicação da vacina têm sido relatados nas bases de dados bibliográficas e de farmacovigilância, provocando preocupações sobre sua segurança”. O estudo mostra como doenças auto-imunes como a Síndrome de Guillain-Barré, Esclerose múltipla e Falência ovariana primária podem ser causadas pela vacina através de um fenômeno conhecido como “mimetismo molecular”, definido como a possibilidade do sistema imunológico confundir uma estrutura própria com um peptídeo estrangeiro (geralmente patógeno) e causar assim danos auto-imunes. Os anticorpos, por exemplo, os quais são produzidos contra um agente patogênico específico, podem reagir de forma cruzada com proteínas do corpo que possuem uma sequência similar ou idêntica. Exatamente esta mesma possibilidade é abordada em um artigo pioneiro, intitulado “Quantificando o possível risco de reatividade cruzada da vacina contra HPV16″, Neste artigo informa que “O número de correspondências virais e suas localizações tornam quase inevitável a ocorrência de reações cruzadas auto-imunes colaterais no hospedeiro humano após a vacinação à base de HPV16.
Leia o artigo completo…
Contaminação com DNA recombinante do vírus do papiloma humano (HPV)
Em 2011 a organização SANE Vax decidiu comprar frascos de Gardasil e testá-los em laboratório. Eles descobriram que mais de uma dúzia de frascos da vacina Gardasil estavam contaminados com DNA recombinante do vírus do papiloma humano (HPV). Os frascos foram adquiridos nos Estados Unidos, Austrália, Nova Zelândia, Espanha, Polónia e França, indicando que a contaminação da vacina Gardasil é um fenômeno global. Isto significa que as adolescentes que são injetadas com essas vacinas estão sendo expostas à um perigo biológico – o rDNA de HPV. Na realização dos ensaios, o Dr. Sing Lee encontrou rDNA das cepas HPV-11 e HPV-18, que foram descritas como estando “firmemente ligadas ao adjuvante de alumínio”. O fato do alumínio também ser encontrado em vacinas deve ser alarmante por si só, já que o alumínio não deve ser injetado no corpo humano, porque é tóxico quando ingerido e, especificamente, danifica o sistema nervoso. Com a descoberta de que o adjuvante de alumínio também tinha fragmentos de DNA recombinante de duas cepas diferentes do vírus do papiloma humano, isto agora alcança o nível de risco biológico – mais para uma arma biológica do que algo que lembre medicamentos. Como a SANE Vax explica em sua declaração, estes testes foram realizados depois que uma adolescente experimentou “artrite reumatoide grave após 24 horas” depois de ser injetada com uma vacina contra o HPV. Leia mais…
[VIDEO] Menina de 12 Anos no Ceará Fica Cega Após Tomar Vacina Contra HPV
Mais um caso revoltante de efeitos adversos graves causados pela vacina contra HPV. A menina de 12 anos ficou cega após tomar a vacina contra HPV no município de Crato, no Ceará. Veja neste post como casos de cegueira após a vacina contra HPV já foram registrado em outros casos no exterior e os estudos que mostram que a vacina contra HPV realmente pode causar este terrível efeito colateral. Leia mais…
[ESTUDO] Vacina Contra HPV Pode Causar Cegueira
A vacina contra HPV, diferentemente da suposta segurança declarada pela indústria das vacinas e o governo, pode causar graves efeitos colaterais, inclusive a cegueira. Mostramos um caso específico semanas atrás, neste post apresentamos estudos e dados estatísticos que confirmam a relação entre a vacina HPV e a cegueira. Leia mais…
5 adolescentes são levadas para hospital após tomar vacina contra HPV
Cerca de 15 adolescentes foram hospitalizadas em Lajinha (MG), após tomarem a vacina contra o HPV. Três tiveram um quadro de complicação mais grave e foram levadas ao pronto socorro para receber maiores atendimentos e foram liberados após observação.
O vereador Paulo Sanches acompanhou e disse em entrevista: “Foi um índice muito grande de meninas. Foram atendidas a cerca de 15 meninas no Pronto Socorro. Três alunas tiveram atendimento prioritário, pois chegaram desmaiadas, inconscientes a unidade. Elas tiveram que receber medicamentos e oxigênio, então foi um atendimento inesperado“.
O lote do medicamento em que houve problema foi recolhido e enviado para a Secretaria Regional de Saúde de Manhumirim.
[Gardasil] Vacina Contra HPV é Alvo de Processo Após Paralisia em Adolescente na França
Uma jovem francesa está processando a fabricante da vacina Gardasil, contra o HPV, por efeitos colaterais no sistema nervoso central. Seis meses após ter recebido a segunda injeção da vacina, em 2010, Marie-Oceane, então com 15 anos, foi hospitalizada com diversos sintomas, como perda temporária da visão, paralisia facial e dificuldades para andar.
Leia mais…
Mulher Jovem Teve Ovários Destruídos pelo Gardasil
Este caso, que foi registrado em um estudo publicado no BMJ, mostra a possibilidade de uma garota de 16 anos ter tido menopausa precoce causada pelo gardasil. Levando em conta que a infertilidade foi uma das causas que levou o governo japonês a deixar de recomendar a vacina contra HPV, não seria uma possibilidade pouco provável. Veja mais neste post do Fórum Notícias Naturais.
Garota na Grã-Bretanha Tem Lesão Cerebral Após Receber Vacina
Enquanto a vacina contra o câncer cervical continua a mutilar e matar ainda mais jovens por toda a Inglaterra, Stacey Jones, de 18 anos, foi a última vítima a sofrer severos danos após receber a vacina. Aparentando perfeita saúde, Stacey começou a sofrer convulsões graves e teve inflamação do cérebro poucos dias após ter recebido a injeção da vacina Cervarix. O inchaço do cérebro dela era tão grave que causou danos cerebrais permanente.
Sua mãe não se deixa enganar pela indústria farmacêutica: “Eu realmente sinto que ela foi usada como cobaia”, disse ela em uma reportagem do Daily Mail. “Eu não acho que há provas suficientes de que o programa de vacinação é segura – isso tudo aconteceu dias depois de Stacey ter recebido a vacina, e não temos outra explicação para o que lhe provocou estas lesões cerebrais.”
Leia mais…
Acobertamento em Caso de Morte Por Vacina na Inglaterra
O Wall Street Journal relata que Natalie Morton, que morreu na Inglaterra, logo após uma injeção de Cervarix, vacina contra o câncer cervical, não morreu por causa da vacinação. O jornal, na verdade, chega aos limites da arrogância em suas palavras. “Então você vê”, diz o WSJ, ” não há necessidade de medo ou parar o programa de vacinação H1N1. Os laudos patológicos eximem a vacinação e seu criador. A vacinação de HPV é perfeitamente segura, assim como como é a vacina para a gripe suína.”. Ufa, graças a Deus, agora já me sinto melhor. O laudo médico diz que ela foi diagnosticada com uma condição médica que era “tão grave que a morte poderia ter acontecido a qualquer momento.” O que foi essa condição? Um tumor “no peito envolvendo o coração e os pulmões.” Um tumor que, assim de repente, a atacou e a matou, sem jamais ter produzido nenhum sintoma de um tumor cancerígeno? Existe alguém idiota o suficiente para engolir essa versão furada de sua morte?
Leia mais…

O que dizem especialistas brasileiros

Até entre os médicos no Brasil já começa a aparecer desconfiança em relação a eficácia da vacina (fonte): “O câncer de colo mata, mas a vacina não demonstrou até o momento que evitará essas mortes. Ela previne as verrugas e lesões no colo do útero, que não matam. A maioria absoluta delas regride“, afirma o médico de família Gustavo Guzzo, professor de clínica geral da USP. As lesões com chances de evoluir para câncer podem ser detectadas em exame papanicolau, que deveria ser mais abrangente e eficiente no país, diz Rodrigo Lima, médico de família em Recife (PE).
A inclusão da vacina no calendário nacional foi desaprovada pela SBMFC (Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade). O diretor da entidade, Daniel Knupp, questiona sua segurança. Veja abaixo a nota oficial:
“A SBMFC não apoia a inclusão no calendário vacinal e o fornecimento da contra HPV no Brasil, enquanto não houverem estudos mais contundentes que demonstrem beneficio real do uso da mesma, uma vez que apesar da reconhecida evidência contra os condilomas e neoplasias intraepiteliais cervicais, do ponto de vista científico, ainda não existem dados que garantam que a vacina efetivamente proteja as pessoas contra desenvolvimento do câncer de colo de útero propriamente dito e nem reduza a mortalidade por essa patologia, o que seria a principal finalidade de tal investimento público.
Tal liberação poderá expor um grupo populacional com reconhecidas especificidades e vulnerabilidades (adolescentes) a um risco ainda não mensurado, levando em consideração:
1. O potencial dano que será causado devido a divulgação de uma vacina com garantia de proteção ainda não comprovada;
2. Os efeitos colaterais ainda pouco demonstrados;
3. O tempo de proteção conferida pela vacina desconhecida;
A implantação da vacina sem as devidas comprovações científicas pode significar um gasto excessivo e desnecessário de recursos que podem ser utilizados para expandir, melhorar e fortalecer as ações de prevenção já comprovadas para a população, e que garantem verdadeiramente a redução das desigualdades e promoção à equidade.”
— As evidências científicas sobre a eficácia e segurança da vacina ainda são muito frágeis. Além disso, alguns estudos mostram que ela aumenta a incidência de diabetes tipo 1 e outras doenças autoimunes, como síndrome de Behçet.
No artigo “Vacina contra o HPV: Nem Tudo que Reluz é Ouro“, Daniel Becker, pediatra, fundador e conselheiro do Centro de Promoção da Saúde e pioneiro da Pediatria Integral no Brasil. Em seu artigo ele fala sobre as ligações da indústria e governo, o marketing agressivo da vacina, sua real necessidade e eficácia, e sobre os seus perigosos riscos. Alguns trechos do artigo:
É muito difícil para um médico se posicionar fora do consenso quase universal que é gerado em torno de produtos da indústria farmacêutica. Suas estratégias de publicidade e ação política são muito inteligentes, e maciçamente financiadas. Sua influência sobre a corporação médica é extremamente poderosa. Daí suas verdades parciais tornam-se universais e absolutas. Mas algumas vozes vêm se levantando em resposta a este “massacre”, que propõe que para todo e qualquer problema existencial existe uma pílula ou uma injeção. Inclusive para problemas que não existem, e precisam ser inventados. Mesmo as grandes revistas médicas já reconhecem o poder da sua influência nas pesquisas e realizadas e nos artigos publicados. Como observou a ex-editora-chefe do New England Journal of Medicine, Dra. Marcia Angell:
“As indústrias farmacêuticas agora financiam a maioria das pesquisas clínicas com medicamentos, e há evidências de que elas muitas vezes as distorcem, para fazer suas drogas parecerem melhores e mais seguras”….
Neste outro artigo publicado na Folha de São Paulo, intitulado  Os Senões da Vacina Contra o HPV, o médico de família e comunidade Rodrigo Lima (citado na outra matéria acima), da algumas respostas para perguntas inconvenientes:
1 – Já temos alguma estratégia efetiva na prevenção do câncer de colo uterino? Temos sim. E quase todo mundo conhece: é o famoso papanicolau, ou citopatológico cérvico-uterino (popularmente conhecido como “preventivo de câncer de colo”). É muito raro uma mulher apresentar câncer se realizar o papanicolau na periodicidade recomendada (anualmente, e após dois exames normais com intervalo de um ano, o exame passa a ser recomendado a cada três anos). Sabem por que? Porque o câncer de colo de útero é uma doença de evolução muito lenta (normalmente em torno de dez anos), e o papanicolau permite que detectemos formas precursoras do câncer (ou seja, alterações na células que ainda não são cânceres).O papanicolau está recomendado para as mulheres de 25 a 64 anos, e deve SER REALIZADO INCLUSIVE EM MULHERES QUE RECEBEM A VACINA (meu grifo), pois ela não protege contra todos os tipos de HPV. Então, se temos um exame confiável, barato e disponível para todas as mulheres do país, o que nos faria mudar de estratégia, partindo para usar uma vacina que NÃO EXCLUI a necessidade de realizar o mesmo exame ao longo da vida? O que esta vacina traz de novo?
2 – A vacina realmente funciona? Depende. Para que? Vamos lá. O HPV é um vírus transmitido através do contato sexual. Por isso, alguns pesquisadores tiveram uma ideia: se conseguíssemos evitar a infecção pelo HPV não teríamos mais câncer de colo uterino. Faz sentido, certo? Mas essa hipótese tem alguns probleminhas. O primeiro problema desta hipótese está em como evitar a infecção. A transmissão do HPV é sexual, e basta o contato íntimo mesmo sem penetração para que a passagem do vírus aconteça…. Considerando que o vírus vai acabar circulando mesmo por aí, a solução mais óbvia seria vacinar as pessoas contra ele. O problema é que o HPV possui mais de 100 subtipos, e as vacinas ainda não conseguem cobrir todos eles, embora cubram os principais. Isso significa que mesmo que a vacina proteja alguém contra os subtipos que ela cobre, ela ainda permite que outros subtipos provoquem o câncer. Ou seja, ela não dá 100% de certeza de que as mulheres não terão câncer de colo uterino. A propaganda não explica isso, né? Mas é por este motivo que a bula da vacina avisa que a vacinação não exclui a necessidade de que a mulher continue realizando o papanicolau. E tem mais: nem toda infecção pelo HPV provoca câncer. Na verdade, a minoria delas faz isso. Então mais importante do que se preocupar com a infecção, parece mais importante acompanharmos se a infecção evolui para lesões perigosas ou não, né? Ou seja: dá-lhe papanicolau nessa disputa, ganhando de lavada da vacina. Outra coisa: a eficácia da vacina foi verificada apenas em meninas sem vida sexual. E o HPV é tão frequente na população que podemos dizer que se alguém já iniciou sua vida sexual, a chance de ter sido contaminado pelo vírus é de quase 100%. Ou seja, se a pessoa não é mais virgem, tomar a vacina não vai fazer nenhum efeito, porque a resposta que ela provoca no organismo não elimina os vírus que já estejam lá, apenas evitaria o contágio (OBS: a indústria já propõe a vacina para mulheres sexualmente ativas). …Nem vou discutir os efeitos da vacina na mortalidade, porque nem deu tempo ainda de estudarem isso direito. O câncer de colo uterino é de evolução muito lenta, e acaba só sendo perigoso para mulheres que não fazem o papanicolau na periodicidade recomendada.
3 – Ela é segura? Há alguma controvérsia. Apontando a segurança da vacina nós temos os estudos feitos pelos fabricantes e as recomendações do CDC (órgão do governo dos EUA). No entanto temos alguns casos de doenças mais graves, ao ponto de existirem processos correndo na França movidos por vítimas da vacina, e casos semelhantes levaram o governo do Japão a não mais recomendar a vacina. Doenças como síndrome de Guillain-Barré, falência ovariana, uveítes, além de sintomas como convulsões e desmaios têm sido associados à vacina, mas esta relação ainda não foi demonstrada em grandes estudos. Então vamos supor que isso aconteça em uma menina a cada 30 mil que sejam vacinadas (a proporção é baseada nas notificações de efeitos adversos do CDC, chamada de VAERS, e está disponível na internet). Será que compensa o risco, mesmo que seja baixo, de ter uma doença grave, se a vacinação não é melhor do que a estratégia que temos hoje para controlar o câncer de colo uterino (o papanicolau)?
4 – Vale a pena substituir a estratégia anterior pela vacina? Pra mim não compensa. Só de imaginar uma filha minha com paralisias causadas por uma vacina dessas eu descarto a ideia rapidinho. Pretendo promover uma educação sexual boa para minhas filhas, para que saibam que precisam se proteger usando preservativo (até porque outros problemas como gravidez indesejada, HIV, hepatite B, entre outros, estão batendo na porta o tempo todo). E acima de tudo, demonstrar sempre a importância de fazer o papanicolau na periodicidade recomendada. Se conseguir, duvido que elas sofram deste mal. E sem essa vacina cara e suspeita. Minhas pacientes e suas famílias receberão a mesma recomendação.”
Fabricante da vacina (Merck) acusada por ex-empregados de forjar resultados da eficácia de vacinas
A vacina que foi comprada pelo governo brasileiro é a Gardasil, cuja fabricante, a MerckSharpDohme (Merck), foi denunciada por dois ex-funcionários como tendo forjado estudos que resultaram na aprovação de suas vacinas. Leia este nosso tópico “[Fraude das Vacinas] Merk Falsificou Resultados da Eficácia das Vacinas Contra Caxumba e Sarampo, Dizem Ex-Empregados para maiores detalhes. Deixo aqui um trecho para vocês:
A Merck conscientemente falsificou o resultado dos testes da vacina de caxumba para forjar uma “taxa de 95% de eficácia”, dizem ex-virologistas do Merck, Stephen Krahling e Joan Wlochowski em seu chocante documento “False Claims Act”.
Para isso, a Merck adulterou o teste de sangue com anticorpos de animais a fim de aumentar artificialmente o aparecimento de anticorpos no sistema imunitário.
Agora, quando o governo informa que “a eficácia da vacina para as lesões intraepiteliais cervicais de alto grau associadas ao HPV 16 é de 96% e para as lesões associadas ao HPV 18 em meninas sem contato prévio com HPV é de 90%“, saiba que estas informações vêm dos estudos feitos pelos próprios fabricantes, que como vemos, não são nada confiáveis. Além disto, vimos no post [Indústria Farmacêutica] Prestigiada Editor de Revista Médica Acusou o FDA de Proteger os Fabricantes de Remédios, que os órgãos reguladores protegem e favorecem os fabricantes de remédio, ao selecionar os estudos que mais os beneficiam e ainda “recusa a divulgar resultados de pesquisas desfavoráveis em sua posse sem permissão da empresa patrocinadora”. Sabendo disto, e sabendo também dos mais variados casos de mortes ligadas à vacina Gardasil, você ainda deixará sua filhinha saudável se tornar mais uma vítima da inescrupulosa indústria das vacinas?
Gasto Exorbitante
O total do contrato foi de R$ 1,1 bilhão na compra de 41 milhões de doses durante cinco anos. Isto é claro, sem levar em conta a logística, material e recursos humanos para tocar esta mega-campanha. Agora imaginem se esta bolada fosse gasta em ações efetivas de prevenção de doenças?
Apenas em publicidade foram gastos 15 milhões de reais.
Conforme revelou o Estado na sua edição de quarta-feira, o pronunciamento um mês antes da campanha custou R$ 55 mil e foi preparado pela agência Propeg. De acordo com o ministério, ao todo R$ 15 milhões serão destinados a ações nas redes sociais, de mobilização em eventos e campanha publicitária. Desse total, metade dos recursos está destinada a divulgação da campanha em televisão. A outra metade está dividida entre rádio (15%), internet (10%), revista (7%), cinema (5%) e demais meios (13%), como outdoors e publicações. Também serão produzidos 213.000 cartazes, ao custo total de R$ 152.699,7, que serão distribuídos a todas as secretarias estaduais de saúde.
Podemos ver que a publicidade está sendo forte. Podemos esperar que, assim como aconteceu com a gripe suína, a equipe de mercenários do Ministério da Saúde estarão a mil tentando convencer a todo custo que a vacina é segura e necessária.
Formulário de Recusa de Vacinação
Vocês podem ver abaixo o formulário de recusa da vacinação. Isto mesmo, não é formulário de autorização, uma vez que agora fica implícito que o responsável autorizou, a não ser que envie o formulário, que ainda deve informar o motivo da recusa. Veja abaixo o formulário, que assim como nas campanhas de vacinação anteriores, mente descaradamente ao dizer que a vacina é segura, apesar dos inúmeros casos que provam o contrário. A recomendação das meninas vacinadas serem mantidas em observação por 15 minutos é feita também na bula da vacina (veja mais abaixo):
Vacina contra HPV Recomendada pela OMS, que por sua vez já foi acusada de beneficiar a indústria das vacinas
Após a suposta epidemia da gripe suína, a OMS foi acusada pelas mais diversas organizações e países de ter beneficiado a indústria farmacêutica das mais diversas formas. Vimos aqui neste blog como a OMS alterou o critério de declaração do nível 6 de pandemia para corresponder a qualquer vírus de gripe e favoreceu de várias formas a indústria das vacinas, além de ter em seu conselho pessoas com conflito de interesse que estavam na folha de pagamento das empresas produtoras das vacinas.
Novamente a OMS recomenda esta vacina para todos os países onde a “prevenção do câncer do colo do útero é uma prioridade de saúde pública“, o que em outras palavras vale para praticamente todos os países. Os outros dois pontos da recomendação da OMS: “onde a introdução é programaticamente viável e economicamente sustentável“, e ainda onde “os aspectos de custo-efetividade foram devidamente considerados“. Levando em conta que o Brasil não faz investimentos (reais) em saúde e educação, que os benefícios desta vacina não são claros, e que os riscos dela são evidentes, não acredito os aspectos de custo-efetividade foram realmente considerados.
Estudo científico mostra conspiração entre a OMS e a indústria das vacinas ao expor supostos especialistas que aconselhavam a OMS e estavam na folha de pagamento da indústria farmacêutica (Veja detalhes)
A Organização Mundial da Saúde (OMS) é o tema de uma investigação que visa descobrir o que realmente aconteceu durante a pandemia global de gripe de 2009, o que levou a dezenas de milhões de pessoas a serem vacinadas para a chamada “gripe suína“. Uma investigação conjunta pelo British Medical Journal (BMJ) e o Bureau of Investigative Journalism (BIJ) já descobriram grandes conflitos de interesse na OMS, onde as empresas de vacinas lucraram muito com a pandemia e a histeria em massa que gerou.
A investigação é focada especificamente no comitê consultivo de emergência, que foi designado para fazer recomendações oficiais à OMS sobre como planejar para a pandemia, que foi repleta de polêmica desde o início. Compondo este painel consultivo estavam indivíduos altamente conectados a empresas farmacêuticas, disseram os jornais científicos BMJ e BIJ, muitos dos quais tinham interesses financeiros na promoção de medicamentos antivirais e vacinas contra a gripe, que foram associadas a problemas como a narcolepsia e outros distúrbios. Leia mais…
Bula – Composição, Efeitos Colaterais e Precauções
Para quem quiser ler a bula, disponibilizo aqui neste link a bula da vacina Gardasil. Vamos apenas realçar algumas partes que me chamaram atenção em um primeiro momento:
No item 5, parte de advertências e precauções vemos: “…a administração da vacina quadrivalente recombinante contra  papilomavírus humano (tipos 6, 11, 16 e 18) pode não resultar em proteção para todos os que recebem a vacina“.
Carcinogênese e mutagênese: A vacina quadrivalente recombinante contra papilomavírus humano (tipos 6, 11, 16 e 18) ainda não foi avaliada quanto ao potencial de causar carcinogenicidade ou genotoxicidade. Isto quer dizer, a vacina que deveria prevenir o câncer pode causar câncer.
Experiência Pós-comercialização
As seguintes experiências adversas foram relatadas espontaneamente durante o uso pós-aprovação da vacina quadrivalente recombinante contra papilomavírus humano (tipos 6, 11, 16 e 18). Como tais experiências foram relatadas voluntariamente em uma população de tamanho incerto, não é possível estimar de forma confiável a freqüência ou estabelecer uma relação causal com a exposição à vacina.
Distúrbios do sangue e sistema linfático: linfadenopatia.
Distúrbios do sistema nervoso: tontura, síndrome de Guillain-Barré, cefaleia, síncope.
Distúrbios gastrintestinais: náuseas, vômitos.
Composição
Ingrediente ativo:
cada dose de 0,5 mL contém aproximadamente 20 mcg de proteína L1 do HPV 6, 40 mcg de proteína L1 do HPV 11, 40 mcg de proteína L1 do HPV 16 e 20 mcg de proteína L1 do HPV 18.
Ingredientes inativos:
cada dose de 0,5 mL da vacina quadrivalente recombinante contra papilomavírus humano (tipos 6, 11, 16 e 18) contém aproximadamente 225 mcg de alumínio (como o adjuvante sulfato hidroxifosfato de alumínio amorfo), 9,56 mg de cloreto de sódio, 0,78 mg de L-histidina, 50 mcg de polissorbato 80, 35 mcg de borato de sódio e água para injeção. O produto não contém conservantes ou antibióticos
CTAI - Comitê Técnico Assessor em Imunizações 
No Brasil, temos um Comitê Técnico Assessor em Imunizações (CTAI), que é um comitê assessor do Ministério da Saúde do Brasil em questões sobre vacinação. Alem de diversas entidades e sociedades, além de “pessoas individualmente experts em vacinação de reconhecido saber“. Estou fazendo uma pesquisa a fundo, mas não seria de se espantar, se assim como aconteceu com a OMS, este comitê contenha pessoas estreitamente ligadas à indústria das vacinas.
Cura Natural?
Apesar da crença generalizada de que a infecção pelo HPV é uma força letal contra a qual só temos a vacinação e a espera vigilante para nos defender, foi recentemente confirmado por um estudo que tanto a antiga medicina de ervas como as defesas imunológicas inerentes do nosso corpo têm poder significativo contra esta doença.
Um estudo inovador publicado no Jornal Asian Pacific de Prevenção do Cancro, intitulado “Cura de Infecção do Colo do Útero pelo Papilomavírus Humano Através da Aplicação Tópica de Curcumina e Curcumina Contendo Creme fitoterápico: Um Estudo Fase II Controlado Randomizado”, revela que a vacinação e espera vigilante não são os únicos o recurso contra a infecção por HPV.
A curcumina, substância encontrada no pó amarelo-alaranjado extraído da raiz da cúrcuma ou açafrão-da-índia (Cúrcuma longa).
Quem sabe este 1 bilhão de reais gastos nesta perigosa campanha não teria sido muito melhor utilizado financiando uma pesquisa para transformar a curcumina em medicamento não patenteado? Leia mais…
Conclusão
Em vista dos riscos reais da aplicação desta vacina, associado a suspeita em torno dos estudos que mostram os supostos benefícios, é de extrema importância que a sociedade brasileira se conscientize sobre informações reais sobre a vacina contra HPV. Infelizmente a mídia e o governo ainda têm se mostrado omissos em mostrar os dois lados da questão. Faça sua parte, divulgue o material contido neste post. Não acredite simplesmente no que mostrei aqui, verifique as fontes e tenha sua própria opinião.
Se você desejar nos ajudar a divulgar estas importantes informações, você pode criar um link em seu site ou página usando o banner abaixo:
dossie vacina hpv




Fonte: http://www.noticiasnaturais.com/





Duzentas meninas desmaiam misteriosamente na Colômbia




As famílias das garotas sofrem com a falta de diagnóstico para o problema



Nos últimos 12 dias, os médicos de El Carmen de Bolívar, uma cidade no norte da Colômbia, já atenderam pelo menos 200 meninas com sintomas muito parecidos: desmaios, tonturas, dor de cabeça, dormência e formigamento em várias partes do corpo. A razão para essas reações ainda é um mistério.
Elas não foram as primeiras a darem entrada no Hospital Nuestra Señora del Carmen com quadro similar. De acordo com o prefeito de El Carmen de Bolívar, Francisco Veja, foram registrados um total de 276 casos como esse desde o meio do ano. Todos com adolescentes, sendo a maioria deles estudantes do Colégio Espírito Santo.
O próprio Ministro da Saúde da Colômbia, Alejandro Gaviria, citou na última quinta-feira "246 meninas que apareceram com sintomas bizarros".
Diante desse quadro, aumentaram as especulações sobre as causas que estariam levando as jovens a desmaiarem. Na falta de um diagnóstico preciso, multiplicam-se as teorias que correm no boca a boca entre os colombianos.
Para acabar com as especulações, especialmente as que ligam os casos a uma possível reação adversa à vacina contra o Vírus do Papiloma Humano (HPV), o ministro da Saúde convocou uma coletiva de imprensa e revelou a hipótese "que parece mais provável no momento" – e que é, inclusive, "apoiada por especialistas". Segundo Gaviria, os sintomas seriam uma ‘resposta psicogênica em massa’.
'Medo coletivo'

"A resposta psicogênica em massa é uma espécie de sugestão de medo coletivo que se contagia de um lado para o outro e termina apresentando um fenômeno estranho", explicou o ministro aos jornalistas.

"Os sintomas aparecem, mas quando os médicos vão examinar clinicamente as meninas, não encontram nenhum tipo de doença."

O ministro citou casos similares ao redor do mundo, um deles que aconteceu no Taiwan, após uma campanha de vacinação em massa para prevenir a gripe suína (N1H1), e outro na Austrália, mas sem dar datas, nem mais detalhes de como aconteceram.
No entanto, Gaviria insistiu que as meninas estão, sim, doentes.
"Não é que essas meninas não estejam doentes, elas estão. Não estamos subestimando o problema. O problema tem que ser levado a sério e seguiremos acompanhando e apoiando a comunidade, mas isso não parece ser um problema de uma doença clínica."
Alejandro Gaviria ainda acrescentou que o Ministério da Saúde colombiano quer trabalhar nesta semana com a Associação Colombiana de Psiquiatria, que se mostrou disposta a se deslocar até El Carmen de Bolívar para estudar os casos.
O ministro novamente reiterou que o motivo para os sintomas nas garotas não aparenta ser clínico e que nada tem a ver com a vacina contra o vírus do HPV. "Não há nenhuma evidência que possa haver uma relação entre as duas coisas", acrescentou ele, insistindo que tem o apoio da Organização Mundial da Saúde, da Organização Pan-Americana da Saúde "e de todas as associações científicas."
Mistério continua

As explicações do ministro não convenceram a todos. "A coletiva de imprensa dele abalou os ânimos de vários pais das garotas", explicou Vicente Arcieri, jornalista da sucursal do El Heraldo em Cartagena das Índias.
Uma hora depois da coletiva de imprensa, várias pessoas protestaram por cinco horas em Troncal de Occidente - a estrada que liga o interior do país com a costa - pela postura das autoridades com o caso.
O jornalista Vicente Arcieri está acompanhando bem de perto o caso e esteve no Hospital Nuestra Señora del Carmen na última quinta. Segundo ele, somente nesse dia, 10 meninas deram entrada no hospital com os sintomas já conhecidos – desmaios, tonturas, dormência e formigamento em várias partes do corpo.
Foram esses os casos mais recentes de um fenômeno que tem preocupado cidadãos e autoridades colombianas há meses. Dez das primeiras pacientes que deram entrada no Hospital Nuestra Señora del Carmen estão sendo tratadas em Bogotá, no Hospital Infantil Universitário de San José. 
Uma delas é a filha de María Romero. Foi a primeira das que apresentaram os sintomas em El Carmen de Bolívar, no dia 21 de março. Elas recorreram primeiro ao centro de saúde da região e tiveram que voltar para lá pela mesma razão em 23 de abril.
"Desde então não tivemos descanso", contou Romero à BBC por telefone.
No hospital de Bogotá, disseram que o resultado de um teste feito com a filha de Romero apontou que ela teve intoxicação por chumbo, assim como outra menina do grupo.
O chefe de toxicologia do hospital, Camilo Uribe, explicou na quarta-feira ao diário colombiano El Tiempo que não havia características claras ou específicas que indicassem o que as outras pacientes poderiam ter. E acrescentou que os próximos exames estariam focados em endocrinologia, imunologia e psiquiatria.

As autoridades informaram que o diagnóstico sairá em uma semana. Uma resposta que poderá acabar com o mistério e acalmar os ânimos na Colômbia




Fonte: http://noticias.terra.com.br/